Caramba eu tento “afastar-me” das análises para me focar no backlog, mas 2023 tem sido um ano incrível para os jogadores, tanto com novas propriedades intelectuais, como com o regresso de séries icónicas, como Dead Space, Diablo, ou Baldur’s Gate. No meio destes títulos de peso, encontramos imensos produtos em menor escala de produção, mas com o mesmo ou até maior grau de amor. E é de um produto feito com todo o amor pela saga que vamos falar, venha daí o BIT.TRIP RERUNNER.

BIT.TRIP RERUNNER, desenvolvido pela Choice Provisions, é a nona entrada na saga BIT.TRIP e, ao mesmo tempo, quarto jogo na sub-série RUNNER, apresentando-se como um remake de BIT.TRIP RUNNER, que já por si era incrível, mas, mais do que um remake, é, como já escrevi, uma carta de amor a toda a saga.

Encontramos aqui uma renovação praticamente completa dos níveis, polindo todos os detalhes frustrantes que encontrávamos no antecessor, sem nunca comprometer a visão do original, seja na veia artística, ou dificuldade do desafio. Tanto sejam iniciantes à série, como veteranos, terão uma introdução rápida e eficaz, entrando posteriormente no mundo da precisão e velocidade frenética com que deslizamos ou corremos pelos inúmeros níveis de BIT.TRIP até chegarmos aos incríveis bosses, que por sua vez também foram bastante melhorados!

Lê mais:  Song of Nunu: A League of Legends Story | Já está disponível para plataformas PlayStation e Xbox
BIT TRIP RERUNNER

Para além da renovação de BIT.TRIP RUNNER, também os jogos anteriores foram “homenageados” nesta iteração. Foram vários os níveis em que dei por mim a ouvir as músicas nostálgicas que marcaram a série, e claro, muitas vezes refiro a nostalgia como lentes muito escuras, mas o kick nostálgico aqui surgiu da forma mais pura e divertida possível, pois para além da inclusão da música, também os níveis são sincronizados ao tempo da mesma.

Para além das melhorias nos níveis existentes, chega-nos o RUNNER MAKER, um editor de níveis que não só permite que os jogadores puxem dos galões criativos e contruam níveis personalizados, como prolonga o tempo de jogo em larga medida. “Até” o editor mereceu a maior das atenções, trazendo-nos uma série de ferramentas simples mas robustas, para que possamos colocar obstáculos nos percursos mais complexos que imaginarmos. Este Maker culmina a saga BIT.TRIP, passando as rédeas aos jogadores para darem continuidade a uma das melhores experiências de platforming que irão encontrar.

BIT TRIP RERUNNER

A nível audiovisual, encontramos um port que traz muitas opções para o configurarmos, mas nem isso o salva do pouco frequente (mas presente) percalço. Reparei que a utilização da GPU é desiquilibrada face à do CPU. Embora isto seja comum em jogos que utilizam mais a GPU, a disparidade ainda era bastante notória, e talvez por isso a framerate vá pingando aqui e ali. Nada de extraordinário mas notam-se as quebras, e não tenho uma build desatualizada face aos requisitos (RTX 4060 Ti 16 | i7 11700K).

Lê mais:  Megaman Battle Network Legacy Collection | Análise

De resto, os níveis são vibrantes e puxam a atenção do jogador, seja nos obstáculos ou em planetas que conseguimos ver no fundo, confessando aqui que foram algumas as vezes em que me distraí a olhar para o fundo, levando a colisões desnecessárias, mas que em certa parte valeram a pena pelos detalhes do cenário. O áudio é simplesmente impecável, não só na sua mistura como na integração com a banda sonora. Em momento algum perdi noção do que é que estava a ouvir e consegui-me sempre concentrar.

BIT TRIP RERUNNER

BIT.TRIP RERUNNER é, na sua essência, o culminar de vários anos e títulos, trazendo num só pacote nostalgia, empenho e dedicação por parte da Choice Provisions, assegurando a comunidade de que ainda cá estão, e que a atenção está a ser dada a quem merece.

Agradecemos à Choice Provisions por nos ter cedido uma chave para análise.

CONCLUSÃO
Reminiscente
8.6
bit-trip-rerunner-analiseA Choice Provisions não deixa dúvidas quanto às intenções com saga BIT.TRIP. Apenas a melhor das intenções e a correspondência devida ao amor que a comunidade transmitiu à saga.