Diretamente para a Squared Potato, chega-nos através da Devir Portugal a oportunidade de analisarmos Código Secreto, desta feita numa edição familiar e especial dedicada à Disney que promete colocar gerações à mesa! Quem sabe, se este poderá ser o grande êxito para a festa de Natal e Ano Novo que já andas a preparar? Vem descobrir nesta análise!

Antes de mais, deixa-me que te apresente a célebre fórmula de sucesso de Código Secreto de Vlaada Chvatil, um jogo de tabuleiro que já ganhou nome e mérito entre os fãs de jogos de tabuleiro, especialmente entre aqueles que procuram um meio termo entre competitividade e jogos cooperativos. 

Cooperativo e competitivo

Todo o jogo gira em torno de duas agências de espiões adversárias, sendo que de um lado temos a agência vermelha e do outro a azul. Ambas as agências têm o seu líder de equipa que, por sua vez, procura dar pistas aos colegas. Estes têm de encontrar as cartas correspondentes numa grelha onde estão expostas diversas cartas, com nomes ou figuras viradas para cima. 

Os únicos membros que têm realmente acesso à informação de quais são as cartas certas para cada equipa são os líderes, através das Cartas Chave. Estes têm de dar pistas à sua equipa sobre a localização das cartas que procuram, em código, com uma palavra e um número. O objetivo, claro, é que encontremos todas as cartas da nossa equipa antes dos nossos adversários encontrarem as deles.

Acessível a toda a Família

Parece muito rebuscado, cara potato? Bem, é verdade que na teoria parece algo complicado de se explicar, mas este é um daqueles jogos que assim que começas a jogar é do mais fácil de te integrares que possas imaginar, o que é um grande benefício para se estás a pensar colocar gerações da terceira idade a jogar.

Digo-te que esse é um critério que tenho em mente quando analiso jogos de tabuleiro: a facilidade de acesso para aqueles que já não têm tanto a cabecinha a funcionar como noutros tempos… Sendo os jogos de tabuleiro uma ferramenta excelente para os fazer treinar e repor alguma qualidade de vida.

Garantidamente, já nestes primeiros parágrafos te posso dizer que estás no lugar certo se é precisamente uma experiência assim para a família toda que procuras! Mas atenção: é de sublinhar que estamos, sobretudo, a falar desta edição da Disney, onde tens imagens bastante coloridas e ilustrativas de um lado das cartas, e letras grandes e gordas do outro, como é tradição do modo mais clássico deste jogo.

Lê mais:  A Pequena Sereia | Conhece o elenco que dá voz à versão portuguesa

Evidentemente que as imagens ajudam imenso e tornam o jogo mais acessível e fácil. Nisto, a forma de se jogar também permite alguma flexibilidade, e antes de cada jogo podem ainda conferenciar sobre as regras. Os líderes podem decidir, por exemplo, se é permitido ou não dizer nomes de filmes ou personagens nas pistas, se só se pode dizer uma palavra ou várias, etc. Claro que quanto mais difícil e misterioso, mais delicioso é o desafio do jogo, mas tal permite equilibrar qualquer barreira para quem não está familiarizado com o universo da Disney.

Aliás, é também de mencionar aqui que, tendo as cartas dois lados, ao jogar-se com o lado onde estão apenas escritas algumas palavras, há um cuidado para que estas possam ser legíveis em lados opostos da mesa, onde se devem sentar as equipas. Portanto, em termos de acessibilidade, estamos mais do que conversados.

Riscas, 2

Em termos de jogabilidade, estamos a falar de uma infinidade de possíveis sessões de jogos diferentes. Nestas, antes de cada jogo, os líderes escolhem ou tiram à sorte de um baralho de 60 Cartas Chave, qual o que definirá a equipa que começa (tendo essa uma carta a mais para acertar que a equipa adversária) e o padrão de cores das cartas de cada equipa na mesa. As cartas na mesa – 16 no modo fácil e 25 no modo difícil – são também tiradas à sorte de um enorme baralho de 200 possibilidades e distribuídas numa grelha de 4×4 ou 5×5 correspondentemente ao modo de jogo.

Conforme as equipas forem conferenciando e decidindo apontar para a carta que acham que o líder está a tentar indicar com a pista que deu, é revelado se essa carta em específico é da equipa vermelha, azul ou um inocente. No entanto, no modo mais difícil podemos mesmo ter ainda um inimigo em campo que, ao ser escolhido e revelado, cessa o jogo e nenhuma das equipas ganha. Caso a equipa falhe a encontrar uma carta da sua cor – se a azul escolher uma carta vermelha ou inocente -, o seu turno cessa e passa automaticamente a vez à adversária.

Nisto, uma sessão de Código Secreto tanto pode levar 15 minutos como 30 minutos, até a primeira equipa conseguir encontrar todas as suas cartas – 5 ou 6 conforme a equipa que começa primeiro – mas, sobretudo, acho este um jogo rápido e, como já disse, acessível a novos jogadores, o que o torna o entretenimento perfeito para levar para qualquer serão de grupo.

Lê mais:  Kingdom Hearts 1 (1.5 HD Remix) | Retro Análise

Em termos estratégicos, há algumas regras interessantes que nos passaram ao lado nas primeiras sessões, como é o caso da Regra 0. Nesta, em vez de o líder referenciar algo comum às nossas cartas, ele diz o que é que é comum às cartas que não queremos escolher. Algo especialmente útil quando já sobram poucas cartas na mesa. 

Madeira 0

Outra regra que é interessante recordar sempre mas torna o jogo mais rápido e fácil, é que temos direito a tentar sempre adivinhar uma carta adicional ao número que o nosso líder nos diz na pista. Mas atenção, que também é um enorme risco! Se errares, poderás estar a arriscar dar à equipa adversária uma carta e perderes o teu turno em vão.

Falando agora em termos de componentes, novamente, fiquei satisfeita. Os 25 cartões de cobertura que representam cada equipa, inocentes e assassino, são de uma grossura generosa e dura; já as cartas são também de um material resistente e que reflete esforço em tornar este um jogo durável, dado que possui 200 cartas, chamadas de Cartas de Tesouro e 60 de Cartas Chave! Todos levam um tratamento de design simplista mas perfeitamente eficaz, até porque qualquer detalhe extra estaria a mais para um jogo que procura ser misterioso e simples, de poucas palavras mas muitas gargalhadas.

Em termos do manual, já achei que podia estar melhor organizado para ser digerido por qualquer tipo de leitor. Este é, de facto, um jogo que, para a sua simplicidade e o que requer para começares, tem um manual que assusta mais do que ajuda. Nisto não faz um trabalho muito eficaz, por exemplo, a explicar o modo para dois jogadores. Este vem anunciado na caixa, mas apesar de não ser de todo o mais indicado de se jogar nesta fórmula de jogo, já que consta na apresentação do mesmo, pode iludir um pouco quem quer que lhe deite a mão.

Sublinho: o modo de jogo a dois jogadores não é bem explicado no manual e não faz muito sentido tentar jogar Código Secreto com duas pessoas, embora seja possível. Na minha opinião pessoal, seria melhor fazermos de conta que esta jogabilidade não existe, já que é um jogo que só se desenvolve bem em grupos.

Fica com um pequeno tutorial da própria Devir para te aguçar ainda mais a curiosidade:

Código Secreto Disney encontra-se disponível no site da Devir (com 30% de desconto!), na Fnac, no El Corte Inglés e na Worten.

CONCLUSÃO
Acessível
8
Joana Sousa
Apaixonada pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou-me pelo caminho da Pós-Produção, do Marketing e da organização de Eventos de cultura pop, mas o meu tempo livre, dedico-o a ti e à Squared Potato.
codigo-secreto-disney-analiseNeste Código Secreto Disney, dispomos numa só edição das várias variantes da fórmula de sucesso, podendo jogar com palavras, imagens, ou um misto de ambas. Sendo um jogo extremamente rápido e acessível de se aprender a jogar, é lúdico e uma excelente escolha para dinamizar esses serões em família que juntam mais de três gerações à mesa!