Antes de começar a minha análise ao Lies Beneath, confesso que não sabia quase nada sobre o mesmo. Assim que assisti a uns segundos do trailer, quiz de imediato parar de ver spoilers, e passar para a acção. Mesmo este sendo o estilo de jogo que não costumo jogar, nunca digo não a um jogo de terror em realidade virtual. Mas será que valeu apena? É isso mesmo que vamos ver!

Lies Beneath é um jogo de sobrevivência em primeira pessoa, desenvolvido pela Drifter Entertainment, que te leva numa demanda pela procura do teu pai, depois de um trágico acidente. Mas o que não estás à espera é da longa jornada que terás pela frente. E, mais importante, dos perigos que vão surgindo durante ela. Conforme vais progredindo na história vais aperceber-te que algo se passa, acabando por descobrir a verdade.

Um estilo visual único

O estilo de jogo é bastante único, apresentando tudo como se fosse uma história de banda desenhada, o que está incrível! Á medida que vais progredindo na história, vais folhando páginas, pondo-te a par dos acontecimentos da história. Além disso, para além dos sons, o jogo não tem falas, mantendo a narrativa sob a forma de texto flutuante, tal como nas bandas desenhadas. Ao início não achei muito prático, mas à medida que fui jogando apercebi-me que o silêncio na narrativa é algo muito importante para uma experiência mais imersiva.

Lies Beneath consegue ter um dos ambientes mais sinistros algumas vez jogados pela minha pessoa. As criaturas e os sons que estas emanam são de arrepiar a espinha. E por vezes, podemos contar com situações de pura surpresa, que nos fazem dar um pequeno salto, ou para alguns, um belo grito.

Lê mais:  The Wizards: Dark Times (Oculus Quest 2) | Análise

As criaturas neste jogo estão horrendas, mas no bom sentido! As suas expressões revelam sempre raiva e fúria, com um toque de aberração sinistra. É certamente algo que tu não queres ver de perto! No que toca aos Bosses do jogo (sim temos Bosses!), estes estão espetacularmente bem trabalhados. As batalhas contra eles são sempre desesperantes, dada a pressão a que eles te submetem. O primeiro sem dúvida é um dos que me fez lembrar da primeira parte do jogo Evil Within, e foi logo um dos meus favoritos.

A pele de galinha permaneceu durante quase todo o jogo

Armas limitadas e um Isqueiro

As armas que tens neste jogo são variadas. Tens as típicas armas de fogo, como as pistolas e caçadeiras, e tens armas de combate corpo a corpo, como facas, machados ou até machetes. Contudo, quase todas as armas são limitadas, sendo que nas armas de fogo estás dependente dos cartuchos que vais encontrando, enquanto que as machetes podem partir-se ao fim de várias utilizações. Aqui está o verdadeiro clima de insegurança, aquele sentimento de não teres tudo de mão beijada. O facto de teres que fazer a gestão de recursos é algo que só por si causa stress a qualquer um.

Como ajuda, tens um isqueiro que é o principal instrumento do jogo. Isto porque é com ele que consegues salvar o jogo, acendendo fogueiras e lamparinas. Além disso, deixar o isqueiro aceso vai permitir-te ver para onde deves caminhar, bem como também conseguires ver as armadilhas escondidas no chão (sim também tens disso no jogo).

Lê mais:  PlayStation VR | Revelados os novos comandos para a próxima geração de Realidade Virtual

Controlos bem afinados e ao gosto do jogador

Antes da história começar, o jogo pergunta-te qual a dificuldade de jogo e que estilo de controlos tu queres usar, de forma a sentires-te confortável. Se não sabes bem o tipo de controlo melhor para ti, não te preocupes. Podes testar os controlos num dos melhores tutoriais de VR que alguma vez vi! Quando terminado, é quase garantido que estás apto/a a prosseguir para a história.

No entanto, notei que o jogo ainda apresentou alguns bugs, ainda que parecessem poucos, foram o suficiente para causar-me alguns problemas durante algumas batalhas. Armas a desaparecerem quando deixo cair, itens a voar para o infinito e até mesmo (ainda que só tenha acontecido uma vez) o jogo encravar durante o loading do próximo cenário.

Música arrepiante!

Por fim a musica. Oh…a musica. Esta está perfeita para o ambiente do jogo que Lies Beneath nos oferece. Estas adaptam-se perfeitamente ao desenrolar dos acontecimentos, conseguindo ter um timming perfeito para nos fazerem assustar à força toda!. Sem dúvida uma das melhores construções sonoras para um jogo de terror que já joguei! Já no sector dos efeitos sonoros, estes também estão muito bem assustadores. Chão de madeira a rachar, chão de gelo a estalar e até mesmo a respiração raivosa das entidades malignas que habitam no jogo, é de deixar qualquer um arrepiado!

Lies Beneath está disponível para as plataformas de realidade virtual Oculus Rift e Oculus Quest.

Conclusão da Análise
Muito assustador!
9
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.