A Lisbon Game Conference, uma das maiores conferências de videojogos em Portugal, voltou nos dias 23 e 24 de Abril, na sua 6ª edição em formato digital.

Foi um marcante regresso, tendo em conta que a sua última edição tinha sido realizada há 4 anos, em 2017. O evento foi organizado pelo Núcleo de Estudantes de Tecnologia do ISCTE-IUL e teve a duração de dois dias, contando como parceiros a Nerd Monkeys, Moche e a Heel Thread.

O objectivo foi dar a conhecer «um ponto de vista mais académico sobre a indústria, as suas tendências e novas tecnologias». O público-alvo centrou-se em estudantes universitários ou qualquer pessoa que ambiciona seguir as áreas do game development, game design, eSports e outras mais. Talks, debates, palestras e workshops decorreram sobre esses temas e transmitiram componentes valiosas sobre a nossa indústria.

Ao longo do dia, foram realizados diversos painéis com duração aproximada de 1h e algumas pausas pelo meio. Giveaways eram realizados entre os painéis para o público poder participar e, possivelmente, ganhar uns bons pares de meias. Quem assistia podia interagir com os convidados e no final fazer perguntas por áudio ou mensagens no chat, possibilitando assim uma dinâmica de partilha e transmissão de conhecimentos. Apesar do evento estar bem estruturado e ter contado com convidados de alta gama, deu para perceber que houve uma ligeira falta de promoção nas redes sociais e consequentemente com os media nacionais.

Os painéis decorriam via Zoom e qualquer pessoa podia aceder gratuitamente, ao fazer registo no site do evento. Em termos de oradores, contámos com a presença de Marco Bettencourt (CEO na Redcatpig Studio), Daniel Rodrigues (Gestor de Produto na RTP Arena), Luís “Moove” Silva (Caster e Host) e Pedro Santos (Head of 5G na Vodafone Portugal).

O evento começou no dia 23, às 10h, com uma abertura realizada por João “Bonny” Antunes e Jorge Costa. Ambos deram mais informações sobre o evento e explicaram a sua importância dentro do nosso panorama nacional. O programa seguiu com Ricardo Correia num painel “keynote” dedicado a jogos indiesIndie games make the world go round”, Ricardo é o atual coordenador da Playstation Talents Portugal e presidente do evento Indie X, o tema principal foi explicar a importância dos jogos indie numa indústria que é dominada por grandes títulos.

Lê mais:  Tetris Effect (Oculus Quest) | Análise

Após isto, pudemos acompanhar um debate sobre o panorama de eSports em Portugal, em que Daniel Rodrigues, Luís “Moove” Silva, Renato “Raven” Dimas e Carlos “KKM” Martins realizaram uma conversa aberta sobre a evolução dos eSports no nosso país. Um outro painel sucedeu, mais indicado para iniciantes em programação, o workshop “Introdução ao Unity” guiado por Diogo Guerreiro, ex-aluno do ISCTE, no qual foi abordando os principais conceitos para o desenvolvimento de um jogo, desde a criação da personagem a efeitos especiais, através de um infinite runner.

Os amantes de game design também tiveram direito a um workshop, apresentado por Tiago Marques da Volt Games, que, ao longo da sessão, deu o seu ponto de vista sobre o assunto e ensinou qual a melhor ordem de passos para fazer documentos de game design. Em simultâneo, Marco Bettencourt deu um painel sobre empreendedorismo com foco em Game Funding, onde falou sobre como obter meios de financiamento para o desenvolvimento de videojogos. Depois tivemos um debate muito interessante sobre o “Futuro da Indústria”, no que toca às «tecnologias que estão a revolucionar o universo gaming» e «como poderá ser jogar videojogos no futuro». Os participantes, Pedro Santos, Ricardo Almeida (produtor na Immersive VR Education) e Filipe Pedras (da Infinity Games), estiveram a discutir qual irá reinar mais: o VR ou o 5G.

Para fechar o primeiro dia do evento, o último painel “keynote” foi centrado em “Project Leading”, conduzido por Mafalda Duarte e Iuri Martinho do estúdio Nerd Monkeys, uma das principais empresas dev nacionais. Estes profissionais partilharam a sua experiência enquanto líderes de equipa e daquilo que é preciso para ter sucesso nesta área.

Lê mais:  Synth Riders: Adrenaline Music Pack | Análise

No dia 24, o evento foi inteiramente dedicado a Torneios de eSports que esteve com inscrições abertas para a toda comunidade universitária. Os jogos de seleção foram os populares League of Legends (LOL) e Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). O evento durou desde as 9H da manhã até às 19H da tarde na Twitch, com prémios disponíveis para os três primeiros lugares vencedores de cada torneio. As competições estiveram divididas em 3 Jornadas da Fase de Grupos, em Quartos de Final, Semi-finais e um derradeiro final para decidir as equipas vencedoras. Por exemplo, a Rektypeek foi a equipa vencedora no CS:GO com uma facada no Match Point e por isso tiveram direito a vários prémios por cada membro da equipa.

Ambos os torneios foram decorrendo de forma pontual e proporcionaram muito entretenimento para quem assistia, contando com comentadores especialistas na área. No entanto, admito que foi um pouco difícil tentar perceber onde é que as livestreams estavam a decorrer, devido ao site do evento não conter nenhuma informação ou links que direcionavam para o local das streams.

Resumindo, Lisbon Game Conference foi um evento excelente que merece ter a sua chance de continuidade nos próximos anos. A nova geração de alunos do Instituto Universitário de Lisboa estão de parabéns pela organização e estrutura da conferência, tendo em conta que foi totalmente online e diferente das iniciativas anteriores. Esperamos que para a próxima Lisbon Game Conference também ocorra mais divulgação nas plataformas sociais para que potenciais interessados possam tomar conhecimento deste evento imperdível.


O que achaste dos vencedores?