Hoje trago-te mais um jogo de realidade virtual, que te vai por a mexer cada centímetro do teu corpo. Sim, lês-te bem! Oh Shape é um jogo musical rítmico bastante original que promete fazer-te suar até dizeres chega! Sem grandes demoras, vamos conhecer este jogo, produzido pela ODDERS LAB.

Toca a mexer esse corpo!

Oh Shape, como já explicado anteriormente, trata-se de mais um jogo de ritmo, dedicado aos dispositivos de realidade virtual. Este desafia-te a passares por paredes, replicando a forma corporal recortada nela. Esta forma de jogar já foi vista em vários programas televisivos, tanto Nacionais como Internacionais. Os próprios desenvolvedores explicam isso mesmo, revelando que o seu jogo foi inspirado no programa televisivo Japonês “Hole in the Wall” (Buraco na Parede). No entanto em Oh Shape, para além de passar pelas paredes furadas, também tens momentos em que as tens que as esmurrar em locais específicos, isto enquanto também recolhes “moedas” e te desvias e abaixas de outras paredes.

Oh ShapeA experiência confesso que foi um pouco estranha. A primeira vez que passas por uma parede, dá-te aquele arrepio, mas essa sensação rapidamente desaparece nos minutos seguintes de jogo. Logo que te habitues, isto torna-se numa experiência bastante gira e divertida. No entanto, conforme já dominava o modo normal, senti que ainda não estava a mover-me tanto como desejaria. O sentimento foi constante até que decidi mudar para o modo hard. Aí sim! Notei de imediato a dificuldade e o rápido cansaço que procurava oferecer aos meus braços e pernas. É aqui que realmente sentes que estar a fazer coreografia a todo o gás! Apesar de existir ainda um modo mais difícil, este ainda ficou fora do meu alcance, pois ainda não me sinto ágil o suficiente. Pode ser que no futuro consiga domina-lo!

Lê mais:  VR Awards | Fica A Conhecer Os Finalistas Deste Ano

Música para vários gostos!

As músicas do jogo estão bem variadas, e a quantidade oferecida também não te vai deixar mal. É claro que algumas poderão não ser do teu agrado, especialmente quando nenhuma te é familiar. Mas o certo é que pelo menos uma ou outra vai permanecer no ouvido, mesmo depois do rápido duche que vais dar depois de uma boa sessão de jogo.

Podes ainda contar com uma música que te compila uma série de outras músicas num programa de 14 minutos de treino, que certamente vai por-te em forma. Também pode ser uma excelente maneira de aqueceres antes de partires para a músicas.

Oh Shape

Como bónus, numa colaboração feita entre os desenvolvedores de Oh Shape e Synth Riders, foi lançada uma música gratuita, “Delight“, criada por Jamie Berry que está disponível em ambos os títulos, em te põe a mexer do ritmo Electro Swing, e que facilmente se tornou em uma das minhas músicas favoritas dos dois jogos. Embaixo deixo o trailer do anuncio:

Se ainda assim não te sentes satisfeito com a biblioteca de músicas incluída, porque não fazê-las tu mesmo? Sim, isso mesmo, Oh Shape dá-te a oportunidade de criares os teus próprios níveis com as tuas músicas, utilizando o software oficial para PC (Windows), e colocares no teu HeadSet VR. Eu próprio ainda não tive a oportunidade de criar, mas acho que esta ferramenta é crucial para que nunca te aborreças do jogo.

O mau e o que pode ser melhorado

Se pensavas que Oh Shape seria o jogo perfeito, podes estar um pouco enganado. A tua experiência pode ser facilmente prejudicada pelo espaço que tens em casa. O jogo pede uma grande área de jogo para que tu possas deslocar-te livremente, acaso contrário vai acontecer como eu: Bater em objectos, ou ver constantemente a grelha guardião e os avisos do jogo, a dizer para me afastar do limite. Algo a considerar se possuires tal limitação de área de jogo.

Lê mais:  Phantom Covert Ops | Um Jogo de Stealth a Bordo de um Kayak

Oh Shape

Houve algo que também se destacou no jogo pela negativa, e isso foi o som das “moedas”. O som que estas fazem ao serem recolhidas contrastam demasiado com toda a experiência, tornando-se com o tempo irritante. A sorte é que há uma “solução” para isso, que passa por reduzir o volume dos efeitos sonoros do jogo.

Outro pequeno pormenor foi o facto de, por algum motivo, não conseguir clicar no botão de voltar para trás nos menus, tendo que utilizar o botão fisico do comando para o fazer. Isto na versão dos Oculus Quest. Além disso, senti que também falta uma secção de músicas favoritas, de forma a conseguir compilar os meus “best hits” numa única lista.

Últimas “poses”

Oh Shape, sem dúvida alguma, entra na minha lista de jogos de ritmo de eleição. Além disso, será a minha nova ferramenta de exercício físico (quase) diária, dado que provou ser um jogo que consegue por-me a mexer mais do que outros jogos VR. Acredito que não falte muito até que comece a procurar mais músicas para fazer crescer a biblioteca de músicas, e que um dia me torne num verdadeiro pro em moldar o meu corpo ao ritmo das músicas.

Oh Shape já se encontra disponível nas plataformas de Realidade Virtuais, Oculus, Steam VR, VivePort e em equipamentos Springboard VR.

Conclusão da Análise
Mexido e Divertido!
8
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.