O jogo Resident Evil 2 Remake tornou-se num exemplo a seguir no que toca a jogos de qualidade e Remakes. Devido ao seu sucesso, a Capcom colocou muito recentemente no mercado Resident Evil 3 Remake, e espera replicar o seu sucesso, produzindo um dos melhores jogos deste ano. Através desta análise, veremos se consegue realizar a mesma proeza.

História

Resident Evil 3 volta a apresentar-nos Jill Valentine, a conhecida membro dos S.T.A.R.S e integrante do incidente na Spencer Mansion, decorrido no primeiro jogo. No início, e de uma forma brilhante, o jogo demonstra-nos o quanto esta personagem ficou afectada psicologicamente com esse acontecimento.

Nessa mesma noite, a Umbrella envia até ao seu apartamento uma poderosa bio-arma em testes chamada Nemesis. Esta criatura foi destacada apenas com o fim: o de assassinar todos os membros dos S.T.A.R.S, já que estes estão em posse dos segredos macabros desta companhia farmacêutica.

Resident Evil 3 Remake PC Review

Durante uma fuga desenfreada, a jovem alia-se a uma força de combate da própria Umbrella, chamada Umbrella Biohazard Counter Measure Service (UBCS). Pondo as suas diferenças de lado, Jill terá de confiar nestes, enquanto tenta sobreviver não só aos inúmeros encontros de Nemesis, como de toda a cidade infectada com o T-Vírus.

Mecânicas

Inevitavelmente que Resident Evil 3 apostou numa vertente mais de acção, tal como tivemos no título clássico. As intrínsecas passagens interligadas do anterior remake, deram lugar a pequenas áreas onde uma acção absolutamente frenética marcou grande parte dos acontecimentos.

Devido, essencialmente, a esta visão que Resident Evil 3 Remake ganhou uma vertente muito filme de acção de Hollywood, onde momentos exagerados, one-liners, e momentos explosivos foram uma constante. Não obstante, continuam a existir segmentos mais calmos, onde a exploração também decorre. Porém, o seu rácio é muito menor, e a forma mais simplista e linear que o jogo os apresenta também contribuiu para uma experiência mais breve e imediata.

Resident Evil 3 Remake PC Review

As possibilidades de escolha nos momentos-chave da história deixaram de existir, colocando um jogador numa vertente mais linear. Os inúmeros confrontos contra Nemesis encontram-se pré-determinados. Estes surgem em diversas partes da história em locais pré-estabelecidos, deixando de existir os factores tensão e surpresa que encontramos no anterior remake, quando os passos de Mr.X se faziam ouvir cada vez mais alto e próximos de nós, até surgir à nossa frente.

Diferenças do Original

Um dos elementos mais predominantes do género survival horror passa pela gestão de recursos. Em Resident Evil 3 este também não foi sentido. Diria mesmo que na maior parte das vezes foi omitido. Já que as ruas de Racoon City estão abundantes de armamento e itens curativos, sendo que muitas vezes até ignorei a existência destes. Um factor nada comum em títulos anteriores, onde uma erva medicinal podia conduzir a um estado de vida ou de morte.

Com base nestes valores, a jogabilidade também se aprimorou mais a estes ambientes. As passagens estreitas deram lugar a ruas mais largas, permitindo não só a fuga a algumas ameaças, como a introdução de diversos elementos como bidões de combustível e geradores dispersados pela cidade que, com base na localização destes e posições dos seus inimigos, o jogador pode eliminar várias ameaças de uma só vez.

Lê mais:  Epic Chef | Regressa às Batalhas Culinárias com a Team 17

Resident Evil 3 Remake PC Review

De referir que este efeito não se encontra apenas em situações menores como zombies ou outras criaturas nas ruas de Racoon City. De certa forma, também são herdados pelos confrontos contra Nemesis (que desta vez actua como o único boss). Jilll pode conquistar as investidas desta criatura, disparando contra reservatórios de combustível nas suas costas, contentores de ácido, ou imobilizar temporariamente os seus ataques disparando contra geradores quando esta imponente criatura se encontra perto destes. Embora este factor seja herdado do título clássico, neste remake foi encontrado em maior quantidade, permitindo uma acção mais interrupta.

Mais Diferenças

Outro elemento que causou mais esta vertente foi o desviar de ataques. Contudo, e novamente mesmo sendo uma herança do clássico, a forma como foi entregue e a sua filosofia colocaram Jill em ambientes um pouco fora do esperado neste Remake.

Ao contrário dos anteriores jogos, Jill não só pode rolar ou investir de ombro para evitar dano, como se fosse no momento exacto ainda oferece ao jogador a possibilidade de causar estragos em maior número e segurança, semelhante em momentos de bullet time encontrados em títulos de acção como Vanquish ou Bayonetta.

Resident Evil 3 Remake

Este elemento também pode ser realizado através da faca de sobrevivência (que desta vez não se deteriora com o uso) onde Jill contra-ataca com esta após um desvio perfeito. A filosofia com que Resident Evil 3 Remake abraça a componente de acção também é evidenciada num dos segmentos onde o jogador é colocado aos comandos de Carlos Oliveira, um dos membros da UBCS. Quando Jill é infectada com o T-Vírus, o jogo actua como uma espécie de tower defense, onde o jogador tem de proteger o quarto onde está a recuperar enquanto hordas de zombies, e alguns Hunters, invadem o hospital.

O Que Faltou?

Eu penso que, aqui, a Capcom perdeu uma grande oportunidade de introduzir um novo cenário. Já que, como foi descrito, como a jovem vive atormentada com os incidentes do primeiro jogo, poderia ser entregue ao jogador um segmento onde Jill revisitava a mansão e enfrentava os seus medos. Desta forma, poderíamos reviver os mesmos com esta nova jogabilidade e sem a necessidade de outro Remake, que, por conseguinte, amenizava o maior elemento polémico deste.

Resident Evil 3 Remake

Isto porque para terminarmos a nossa jornada inicial em Racoon City, são apenas precisas cerca de cinco horas, sendo que nas subsequentes este jogo pode ser completado em menos de duas.

Não é que o jogo clássico tivesse uma duração muito maior. Porém, com a omissão de áreas como a torre do relógio, o parque, e a fábrica abandonada, contribuíram certamente para a nossa estadia ser menor. Também, e ao invés do jogo clássico, na área final somos novamente convidados a visitar o tradicional laboratório secreto subterrâneo, uma constante em praticamente todos os títulos desta série, que criou um efeito de fadiga.

Lê mais:  Hellpoint | Análise

Resident Evil 3 Remake

O número de criaturas também foi menor: por exemplo, o confronto contra o Grave Digger não existe, assim como puzzles e algum backtracking. No entanto, estes dois, para muitos, foi um passo em frente, já que são duas áreas fortemente criticadas por jogadores mais iniciados ao género. Na minha óptica, penso que são vitais para o género enquanto survival horror. Embora na conclusão da aventura surja uma loja onde itens podem ser adquiridos consoante os nossos feitos, muito poucos vão encontrar razões para regressar a Racoon City.

Melhorias

Uma das áreas onde este Remake se destacou foi na humanização das suas personagens. A super polícia continua a ser uma mulher corajosa, determinada e cheia de recursos, capaz de desenvasilhar-se de qualquer situação. Contudo, no seu interior, também palpita um coração frustrado, magoado e assustado. Embora estes elementos apenas surgem numa forma minimalista, encontram-se lá para os mais atentos.Resident Evil 3 Remake

Carlos Oliveira, o membro latino da UBCS que controlamos em algumas fases nesta aventura, deixou de ser um jovem arrogante, dando lugar a um homem, preocupado com o bem-estar dos seus habitantes e em salvar qualquer vida, seja qual forma a mais ínfima hipótese desse sucesso. Outro elemento de destaque é Nikolai, o demente colega de Carlos que, sem estragar muitas surpresas para quem não jogou, digo apenas que o seu último diálogo vai causar-vos um certo mau-estar, devido à frontalidade, situação e a forma como o profere.

Com base nas suas personagens, a história também sofreu um ligeiro incremento de qualidade, ficando mais relacionável com a actualidade e a recente pandemia que está a assombrar as nossas vidas. Infelizmente, por apostar em valores mais reais, alguns monstros ganharam dimensões menos intimidantes, como foi o caso do pobre Nemesis que adormeceu com o nariz encostado a caixa de pizza da Sra Valentine.

Conclusão

A versão analisada corresponde à versão PC Steam. As personagens e todos os elementos são-nos entregues através de um realismo sem paralelo! De destacar as expressões faciais e movimentos das personagens incrivelmente realistas. Embora seja cliché, por vezes cheguei mesmo a pensar se não estaria a assistir a um filme.

Resident Evil 3 Remake

Os efeitos gráficos adicionais desta versão também contribuíram ainda mais para este efeito. Melhores e mais realistas efeitos de sombras, luzes e modelos de personagens não encontrados nas versões para consola. Também, e ao contrário destas versões, a versão PC corre a 4K nativos, com uma taxa de fotogramas regular sem discrepâncias, disponível em várias frequências.

O som encaixa que nem uma luva, quer nos momentos mais tensos como nos inúmeros que viveremos a mil octanas. No campo técnico, Resident Evil 3 Remake encontra-se muito próximo do anterior Remake. Contudo, sinto mais realismo nas suas personagens.

Resident Evil 3 Remake já está disponível para PlayStation 4, Xbox One e na Steam para PC.

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.