Lançado em 1992, esteve em desenvolvimento durante dez meses, Super Mario Land 2: Six Golden Coins foi um exclusivo para o Game Boy, e um dos mais aclamados jogos para este sistema, bem como uma das melhores aventuras de Mario.

Esta, é uma das raras séries dentro desta franquia que não teve o dedo criativo do seu criador, Shigeru Miyamoto, mas sim do falecido Gunpei Yokoi. Este, foi o principal responsável por inúmeras de consolas, séries, e periféricos da Nintendo, incluindo Game & Watch, Metroid, Ice Climbers e até o próprio Game Boy. A ideia base, partiu de Mario lutar por algo “seu” ao invés de lutar pelo benefício de alguém, e do mesmo possuir um nemesis, semelhante à sua imagem.

Lê mais:  Animal Crossing | Novos conteúdos da Sanrio chegam dia 26 de Março!

A história de Super Mario Land 2, começa imediatamente depois dos eventos de Super Mario Land. Enquanto que Mario, esteve ausente em Sarasaland, no salvamento da Princesa Daisy das garras do extraterrestre Tatanga, Wario, um amigo seu de infância que sempre teve inveja do nosso herói canalizador, apoderou-se da Mario Land. Este manipulou as memórias dos seus habitantes, e apoderou-se do castelo. Contudo, esse encontra-se agora trancado, e a única via de acesso são as seis moedas de ouro guardadas pelos servos de Wario. Cabe ao Mario e ao jogador, confrontar cada um destes chefes, para adquirir as suas moedas e reclamar a Mario Land.

Depois de um nível inicial, que expõe as mecânicas base ao jogador, somos introduzidos ao mapa mundo e a diversas zonas. O mesmo actua como Hub, e nesse temos acesso a qualquer fase inicial, podendo escolher qual começar. As mesmas dividem-se em seis zonas. Cada uma contendo entre três a seis níveis alusivos à sua natureza, vamos passar a conhecer cada uma delas. Na Tree Zone, escalamos uma árvore enorme que chega até ao nível das nuvens. Nesta habitam na sua maioria insectos, sob o olhar vigilante de um pássaro gigante. A Macro Zone, onde por artes mágicas os seus habitantes são encolhidos ao entrar, é onde um rato dita as ordens da casa.

Em seguida a Pumpkin Zone, que tal como o nome indica, situa-se dentro de uma abóbora. Esta encontra-se infestada por Boos e uma bruxa. Numa ilha adjacente temos a Turtle Zone, que na verdade é localizada dentro de uma baleia, e nela Mario terá de confrontar um polvo gigante. Continuando, a Mario Zone, onde uma versão robótica do nosso amigo encontra-se controlada pelos três porcos maus. Finalmente, a Space Zone, na qual Mario, confrontará mais uma vez Tatanga o vem seguindo desde Sarasaland e planeia vingar-se. Quando o jogador tiver na sua posse as seis moedas de ouro, é na hora de enfrentar Wario, mas até lá, Mario terá de conquistar um trajecto cheio de armadilhas mortais no seu castelo.

Super Mario Land 2

Contrariamente ao primeiro Super Mario Land, esta entrega encontra-se mais próxima da fórmula clássica dos jogos de Super Mario. Mario salta, resgata o turbilhão de Super Mario World, e leva a melhor a todo o tipo de ameaças, bem como destrói blocos e viaja entre canos, através de uma jogabilidade simples e robusta. No final de um nível ainda pode adquirir preciosas vidas extra, através de minijogos que consistem numa garra metálica ou num circuito eléctrico. O conceito de fatos de poderes, oriundos da fantástica terceira aventura de Mario na sua consola de origem, são também recorrentes. Em Super Mario Land 2, para além do tradicional cogumelo gigante, que faz aumentar de tamanho a quem o consumir, ainda dispomos da preciosa ajuda do Fire Cap e do Bunny Cap. Enquanto que o primeiro transmite um poder parecido à Fire Flower, o segundo permite abanar as orelhas e planar.

As escolhas destes poderes devem-se claramente às capacidades das paletes de cores inexistentes do Game Boy, já que as mudanças no sprite de Mario, são bem evidentes. Comparando sprites e grafismos, Super Mario Land 2, esteve muito superior ao seu antecessor. Aquele Mario minúsculo, deu lugar a um mais proporcional até a sua versão World, na Super Nintendo. Tanto os inimigos como cenários estão muito maiores, melhor definidos, respirando carisma e animações bem divertidas e muito interessantes para um título 8 bits portátil. Quando pensamos que estamos perante um jogo de Game Boy de 1992, não deixa de ser espantoso!

Super Mario Land 2

Lê mais:  Game Builder Garage | Análise

As melodias compostas por Kazumi Totaka, que acompanham as aventuras Mario no seu reino, são bem diferentes dos seus moldes mais tradicionais. Se esperam o tradicional tema de Super Mario, esqueçam! Em todo o jogo, temos uma faixa recorrente, mas é adaptada aos vários cenários onde é inserida. Ao passo que na Pumpkin Zone, a melodia é calma e quase despercebida, na Mario zone é cheia de vida. Até na parte inicial do confronto com os Bosses no final de cada zona, surge uma versão sua bem breve, mas ameaçadora. Só na Space Zone, durante a perseguição da nave do Tatanga, é que temos uma melodia bem original, e que é imediatamente recordada por quem jogou este magnifico título.

Super Mario Land 2: Six Golden Coins, é um título imprescindível para qualquer fã do alegre canalizador. Uma aventura breve, mas cheia de conteúdo, provando que a simplicidade por vezes pode ser um aspecto bastante positivo. Esta aventura envelheceu extremamente bem, e isto não é só devido à sua simplicidade! Este jogo pode ser desfrutado num intervalo entre videojogos mais complexos e modernos, como uma porta de introdução para as novas gerações conhecerem a mascote da Nintendo. Hoje em dia podem encontrar Super Mario Land 2, a um preço razoavelmente alto se seguirem a via de jogarem na tela dos vossos Game Boy. Se decidirem enveredar por uma segunda via, este pode ser encontrado na Nintendo E-shop da Nintendo 3DS, ao preço de uma refeição, na qual este titulo pode actuar como uma sobremesa bem doce.

Super Mario Land 2: Six Golden Coins está disponível para Game Boy, Nintendo 3DS e PlayStation.