Foi durante o directo da Oculus Connect 6 (que na minha modesta opinião foi mais rica em novidades do que a própria E3 2019), que finalmente obtivemos o anuncio do lançamento do segundo episódio de Vader Imortal: Uma Série da Guerra das Estrelas Em RV por parte da ILMxLAB. E devo desde já dizer, que esta é simplesmente uma das experiências de Realidade Virtual porque tenho estado mais ansiosa por experimentar nestes últimos meses.

É de recordar que o episódio anterior levou-nos a explorar uma imensa interactividade com o meio envolvente no modo de Estória, e a dominar as lutas com sabres de luz no modo Dojo I. Com personagens de peso a partilharem atmosfera connosco, difícil difícil foi mesmo não me faltar o ar… e o desejo pelo domínio da Força instalou-se.

Lê Mais:  Vader Imortal: Uma Série da Guerra das Estrelas Em RV - Episódio 1 | Análise

Como qualquer fã de Star Wars, fiquei felicíssima por ouvir que o estúdio tinha dedicado este segundo episódio à introdução desta nova ferramenta para nos auxiliar nos combates. E muito sinceramente, é logo por aqui que quero começar a analisar este episódio.

Usa A Força

A Força é então introduzida no início do segundo episódio do modo Estória, logo nos momentos que sucedem o final do primeiro episódio. Como mestre para este ensinamento, temos Darth Vader que nos acompanha e aproveita parte do percurso que estamos a tomar para despertar este poder em nós.

Devo dizer que este é o momento em que qualquer pessoa com mais de 20 anos em cada perna é capaz de gritar como uma pita estérica… hrum, continuando… Com um mini tutorial perfeitamente camuflado no decurso da acção, e super intuitivo sem precisar de quaisquer menus, aprendemos a dominar este poder. Tal só é possível se olharmos para um objecto ou inimigo, mantivermos pressionado o trigger dos Touch Controllers, e sentirmos a vibração dos comandos conforme capturamos o alvo e o subjugamos ao nosso poder.

Esta é a solução que de facto tinha em mente, quando tentei imaginar como é que seria se introduzissem esta componente no “jogo”. Contudo há aqui um senão a tudo isto. Pois  apesar de poderes até ter uma boa pontaria, a trajectória que o teu alvo deverá tomar quando o lançares pelos ares (com toda a tua Força), não depende totalmente dos teus cálculos.

Esta é de facto uma mecânica que precisa mesmo de umas boas afinações. Pois podes tentar fazer pontaria da melhor forma que conseguires, mas da mesma forma com que não consegues controlar totalmente a posição de um alvo que flutua sob a influência da tua Força, também não consegues controlar suficientemente bem o seu trajecto na integra. Contudo, senti ainda uma certa ajudinha do jogo, vendo que os objectos são um pouco forçados a irem contra os inimigos mais próximos.

Vader Imortal

Lê Mais:  Please, Don't Touch Anything 3D | Análise

Com esta nova vertente temos agora alguns truques novos a aprender, como por exemplo, em combate, podemos agora lançar o sabre de luz para uma ponta do campo e o puxá-lo de volta para a nossa mão, trespassando um inimigo ou outro no seu trajecto. Uma certa agilidade que aproxima esta experiência imersiva do sentimento ideal de libertinagem que, salvo o problema de controlo mencionado acima, sempre quis sentir neste universo.

Episódio 2

Mas secalhar não é só a Força que está aqui a sair um pouco fora do nosso controlo, e com isto está na hora de falarmos sobre o modo Estória deste episódio. Talvez pela pressão do tempo e da antecipação dos fãs que têm exasperado por este episódio, o estúdio tenha-se sentido com algumas dificuldades em melhorar esta experiência, tendo em conta a recepção do primeiro episódio.

Acho mesmo que tentaram apressar demasiado as coisas, o que acabou por sair caro para ambas as partes: estúdio e consumidor final. Pois o que temos aqui perante nós, é menos de meia hora de estória nova, previsível e plana, pela qual pagámos o mesmo preço que o episódio anterior que teve uma duração mais longa… para não dizer quase o dobro!

Com isto, temos um plot twist que se prevê logo de inicio, e que envolve uma personagem que não emanava este tipo de direcção na estória do primeiro episódio, o que me deixou um pouco a torcer o nariz… Temos também uma nova ameaça que nos persegue o episódio inteiro, e que funciona mais para encher chouriços do que outra coisa.

Em contrapartida a esta salganhada, temos momentos fulcrais que nos levam ao artefacto que procuramos, e à descoberta do seu verdadeiro poder. Finalmente descobrimos do que é que este realmente se trata, e com o mesmo descobrimos qual é o nosso papel e a nossa missão a desempenhar no meio disto tudo.

Vader Imortal

Lê Mais:  Gun Club VR | Análise

Não querendo spoilar o mínimo detalhe, digo apenas que me sinto um pouco triste com a brevidade deste episódio, e que este é um sentimento que se aprofunda por desconfiar que o próximo será o último, julgando que queiram encerrar esta saga de uma forma rápida e abrupta. Mas bem… cá estarei eu batida quando sair o episódio 3, e até lá, tenho o Dojo II onde treinar as minhas skills para o derradeiro confronto que se antecipa.

Vader Imortal: Uma Série da Guerra das Estrelas Em RV – Episódio 2 já está disponível para as plataformas Oculus.

Conclusão da Crítica
Apressado
5.6
Cedo me apaixonei pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou pelo caminho da Animação e Pós-Produção, mas nos tempos livres, escrevo para voçês.