Normalmente chego a esta altura do ano e comparo as qualidades de FIFA e PES, no entanto, este ano, a EA Sports tem o caminho aberto para um reinado (ainda mais) ímpar, depois de um deslize monumental por parte da Konami.

Encontramos aqui a versão definitiva dos 3 últimos FIFA, com retoques que melhoram a qualidade de jogo, esta iteração aposta mais no realismo.

Desvalorizando o drible, o foco está nos passes e na construção de jogo em equipa, com cada elemento a destacar-se pelas suas qualidades, ao contrário das entradas anteriores em que todos praticamente passavam curto ou longo da mesma maneira. Consequentemente, o ritmo de jogo abrandou.

Confesso que por vezes sentia que estava a ver um jogo de futebol, não só pelos visuais melhorados da actual geração, mas também porque o jogo transmite vida, com movimentações dinâmicas por parte da IA (Inteligência Artificial). Embora não esteja na sua melhor versão, a IA, potenciada pela tecnologia HyperMotion foi bastante melhorada, reagindo mais (e melhor) às nossas jogadas.

Para além da IA, também a própria bola deixou de ser um tijolo, incentivando mais ao estilo de jogo possessivo e fluído em passes que a EA queria implementar em FIFA 22. Deram ênfase também aos cantos e cruzamentos, onde estes realmente são tão letais quanto costumam ser no desporto-rei devido ao novo peso da bola.

Lê mais:  River City Girls Zero | Análise

Outras novidades passam por celebrações exclusivas a golos decisivos perto do fim do jogo, o que ajuda a criar antecipação para as mesmas e sentir aquela satisfação no Ultimate Team quando cabeceamos o golo da vitória para o fundo das redes aos 92′.

Todas estas variantes ajudam a dar vida à reformulação dos jogadores. Com acesso às tradicionais licenças, agora sim sabemos o que é ter vedetas na equipa. E não, não falo apenas de Ronaldo e Messi. Desde Lewandowski ser um matador infalível ao porte físico incomparável de Pogba na contenção da bola, é notório o trabalho da equipa na reestruturação das características das super-estrelas.

Os modos de jogo também sofreram alterações. O modo Volta cada vez mais puxa inspiração de FIFA Street, desta vez com habilidades que podem ser utilizadas por um breve período de tempo, como super-velocidade. Infelizmente, este ano traz também “dores de crescimento” para o Volta, com um modo bastante divertido com mini-jogos como ténis ou o mata, que podemos partilhar com amigos, mas que apenas está disponível aos fins de semanas (não se percebe).

O modo Carreira foi melhorado, trazendo agora momentos mais “pessoais” antes de cada jogo, onde teremos oportunidade de criar relações com o resto dos jogadores no balneário. Mesmo no modo Treinador, podemos agora criar o nosso próprio clube da maneira como melhor entendermos. Uma força sobrenatural que devasta todas as equipas? Feito. Uma equipa que mais valia ser um escritório de contabilistas? Também se arranja.

Lê mais:  Arise: A Simple Story | Análise

O modo que no entanto mais merecia atenção, parece ter sido o que menos a recebeu.

Ultimate Team continua praticamente pay-2-win, com o tradicional foco nos famosos card packs. Os ratings foram equilibrados, embora os jogadores da Premier League tenham o tradicional “bump”, fazendo com que esta se mantenha dominante nas equipas que encontramos em matchmaking. A introdução aos novos jogadores foi melhorada substancialmente, no entanto o modo fica apenas para os jogadores mais aguerridos da saga.

Os visuais na nova geração são incríveis, chegando quase ao nível foto-realista de NBA 2K22 (FIFA 23 com certeza que chega e provavelmente passa). A banda sonora para variar é incrível, e aqui tenho de dar o maior mérito à EA Sports pois ano após ano escolhem músicas que fazem valer a pena abrir o jogo só para estar no menu.

CONCLUSÃO
Polido
7.8
fifa-22-analiseFIFA 22 não revoluciona a saga mas refina vários pontos que aumentam a qualidade de vida dos jogadores. Desde a jogabilidade aos modos de jogo, não faltarão motivos para os fãs da saga adquirirem a nova entrada do que é agora o indisputável rei da simulação do futebol.