A série de mangas Tsukuyomi: Moon Phase (月詠) foi escrita por Keitarō Arima e adaptada para anime de 25 episódios pela Shaft, sendo transmitida na TV Tóquio de 4 de Outubro de 2004 a 28 de Março de 2005.

Moon Phase

O Enredo de Tsukuyomi: Moon Phase

Tsukuyomi: Moon Phase conta a história sobre a relação entre o fotógrafo freelancer Kouhei Morioka e Hazuki, uma jovem que descende de uma linhagem de vampiros.

No início da história, Kouhei viaja para um castelo na Alemanha para tirar fotografias de fenómenos paranormais para o seu amigo Hiromi, que é o editor de uma revista de ocultismo.

No castelo, Kouhei conhece Hazuki, que se alimenta do sangue de Kouhei e o reclama como seu criado. Embora este “pacto de sangue” deva ligar Kouhei a Hazuki como a sua escrava obediente, o seu acto não tem nenhum efeito sobre Kouhei.

Após uma batalha de feiticeiros cheia de acção, na qual Kouhei e a sua prima conseguem libertar Hazuki do seu captiveiro no sombrio castelo, Hazuki viaja para Tóquio, e instala-se com Kouhei na casa do seu avô no Japão. Hazuki afirma que, porque ela se alimentou do seu sangue, Kouhei é agora o seu criado, mas Kouhei recusa-se continuamente a obedecer-lhe, especialmente quando pensa que os seus pedidos não são razoáveis.

Tsukuyomi: Moon Phase

Apesar da sua luta, a relação entre a dupla progride ao longo do tempo, mesmo em face dos repetidos ataques de vampiros opositores – até que Kouhei se torna determinado a proteger Hazuki dos vampiros servos da sua família, que estão determinados a recuperá-la por todos os meios necessários.

O Ambiente

Provavelmente, nunca viram Tsukuyomi: Moon Phase mas devem conhecer a abertura como aquela música que está sempre a repetir Neko Mimi Mode.

Esta série é para aqueles que preferem que os seus vampiros sejam moe como gatinhos. O humor da série, tal como as personalidades da Hazuki, tendem a alternar entre os dois, embora geralmente funcione melhor ao enfatizar os aspetos moe. Dito isto, as pessoas com aversão às raparigas orelhas de gato e aos tipos de irmãzinhas são aconselhadas a permanecerem longe.

O enredo tende a alternar entre momentos de seriedade e leviandade: os dois primeiros episódios tratam do encontro de Hazuki com Kohei e da fuga do castelo, e depois instalam-se numa rotina diária tola antes de lidarem com os vilões alguns episódios mais tarde.

A história tem alguma dificuldade em equilibrar a evolução do carácter e da relação com a progressão da trama, a menos que tenhas consciência que tais coisas se passam em episódios diferentes. Talvez seja por isso que, apesar das várias tragédias que vários personagens sofrem, há pouca atracção emocional relativamente a eles.

Além disso, como acontece com muitas adaptações de manga inacabada na altura do lançamento do anime, uma série de linhas de enredo é deixada desvinculada com a conclusão da série, embora a série conclua de forma suficientemente sólida.

As Personagens

O elenco é divertido, embora algumas pessoas possam achar que algumas das personagens se encontram na linha entre o adorável e o irritante. Hazuki começa como uma menina teimosa e ligeiramente mimada, mas torna-se mais simpática e carinhosa ao longo da série. Kohei é o típico rapaz bondoso e honesto, mas pouco impressionante, com uma habilidade invulgar que já se viu em tantas outras séries. O elenco de apoio traz um pouco de vivacidade.

Tsukuyomi: Moon Phase

Haiji traz um pouco de humor como o animal de estimação da Hazuki, repreendendo frequentemente o criado do seu amo Kohei. Seiji traz um pouco de classe como o parente de aspeto fresco e talentoso de Kohei. Os melhores personagens, porém, são provavelmente Ryuhei e Elfriede, que regularmente provocam os personagens principais, mas também se ligam uns aos outros num nível mais profundo e partilham alguns dos momentos mais ternos da série.

A Arte

Não se pode realmente falar de Tsukuyomi: Moon Phase sem mencionar as suas peculiaridades estilísticas.

Como com praticamente qualquer trabalho dirigido por Akiyuki Shinbo, é de esperar utilizações interessantes e diferentes da luz e da cor em muitas cenas ao longo de toda a série. A representação típica da casa em que ocorre grande parte da história é também representada de forma muito semelhante a uma casa de bonecas, aberta de modo a ver em todas as divisões ao mesmo tempo.

Tsukuyomi: Moon Phase

Os desenhos das personagens são nítidos, e os fundos são devidamente detalhados. As cenas de ação podem não ser de cortar a respiração, mas são mais que adequadas para a tarefa que pretendem realizar.

A Banda Sonora

A música de fundo para os episódios é escolhida apropriadamente para a cena, embora, por vezes, seja um pouco prepotente. As cenas escuras são suportadas por tons assombrosos e góticos, enquanto os momentos alegres são pontuados por melodias gritantes e lúdicas. A canção mais cativante (para bom ou mau) é absolutamente o tema de abertura, Neko Mimi Mode, que muda ligeiramente com cada episódio.

É particularmente surpreendente como interrompe drasticamente a sombria cena introdutória do primeiro episódio com a sua melodia borbulhante, açucarada, letra simplista e cores brilhantes.

Alguns episódios têm uma canção de abertura alternativa, Tsukuyomi Mode que é  não tão excessivamente enérgica, mas semelhante.

O ending também ajuda a criar aquela atmosfera gótica, esta versão do ending é provavelmente a minha parte favorita de Tsukuyomi: Moon Phase, juntamente com a dinâmica do episódio 1 e 2.


Já tinhas ouvido falar de Tsukuyomi: Moon Phase? Qual a tua opinião do anime/manga?

Conclusão da Análise
Gótico e adorável
7.5

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.