Um jogo que me despertou imensa curiosidade nos últimos tempos, foi 60 Parsecs! Uma sequela a 60 Seconds!, desenvolvida pela Robot Gentleman, que não foge muito à premissa do seu antecessor.

À semelhança do primeiro jogo, aqui tens de conseguir sobreviver, gerindo os recursos e garantindo que a tua equipa se mantém em boa forma dia após dia, ao passo que te encontras à deriva no imenso espaço, à espera de seres resgatado.

Cada novo jogo, é uma aventura completamente diferente. Isto porque as responsabilidades do chefe de equipa (o teu personagem), que são no fundo a história que desenvolves em cada novo jogo, são seleccionadas aleatoriamente de uma vasta biblioteca de possibilidades. No entanto, o inicio do jogo é sempre o mesmo.

Inicias o jogo escolhendo que personagem queres ser como chefe de equipa, sendo as únicas opções no modo de Space Drill, Emmet Ellis e Deedee Dawkins. Esta escolha tem impacto na história, pois cada personagem tem as suas forças e fragilidades. Emmet por exemplo, é a minha personagem preferida por ser dotado de uma imensa inteligência para resolver os problemas que se colocam na sua frente. É também ágil, mas claro, é mais fraco que a média. Já Deedee é dotada em agilidade mas a sua força e inteligência estão abaixo da média. Mesmo os restantes membros de equipa, devem ser destacados conforme aches que são mais adequados para determinado tipo de trabalho, sendo que te deves basear sempre nas categorias de Inteligência, Agilidade e Força.

Depois de escolhida a tua personagem, o jogo inicia-se com a mesma a vaguear pela estação espacial onde trabalha, quando um alarme dita a aproximação de um meteoro! Sem olhar a meios, deves procurar resgatar 3 membros da tua equipa, e encher a nave espacial de fuga com o máximo de provisões que conseguires reunir. Tudo isto em menos de 60 segundos. Após uma fuga bem sucedida, toda a estação espacial é destruída, numa grandiosa explosão.

60 Parsecs!

Uma vez em pleno espaço, cada dia que passa é um verdadeiro desafio de sobrevivência. Tendo 3 tripulantes a bordo, cujas vidas dependem única e exclusivamente das tuas sábias decisões, no que toca a gerir o stock de recursos. Aqui as sopas são o recurso mais fundamental para suster a vida, seguidas imediatamente pelos kits médicos e pelas meias, sendo estas últimas muito importantes para a sanidade mental dos tripulantes. Com isto, há toda uma rotina diária que deves procurar estabelecer e manter.

Primeiramente, dei por mim a verificar sempre o relatório do dia, onde se consegue ter acesso a muitas informações. Aqui consegues saber que efeitos tiveram as tuas decisões no decurso da história que estás a traçar, bem como verificar a saúde dos teus companheiros, e saber que materiais foram produzidos. Preocupei-me sempre, logo de seguida, em avaliar o stock de recursos disponíveis, sendo que é possível reciclar alguns objectos abordo da nave para produzir outros.

Depois de avaliar e tomar decisões em relação à gestão de stocks, passava à última etapa. Esta consiste no computador que se encontra no centro do cenário interactivo, onde surge aleatoriamente o desafio do dia, sobre o qual terás de tomar uma posição. Estes podem consistir em tomar posição quanto a tentar uma aterragem num corpo celeste, ou tentar comunicar com sinais distantes. Podem consistir também em reparações de devem ser feitas, ou mensagens que devem ser decifradas, entre outras situações que mostram que este jogo é um verdadeiro simulador e que a Robot Gentleman pensou praticamente em todo o tipo de situações.

60 Parsecs!

Com isto tudo, posso dizer-te que os controlos disponíveis para esta aventura são bastante simples, sendo que só tens de te preocupar em clicar aqui e clicar ali num cenário interactivo… Em certa parte sinto que este jogo seria muito mais interessante de se ter em formato para mobile. Era até muito mais conveniente, dadas as pausas entre os dias, que quebram um pouco a atmosfera a quem está somente de auscultadores, em frente a um monitor. Dada a facilidade de progressão, e sendo que só precisas de um controlo que por gesto poderia perfeitamente interagir com tudo, acho que nesse formato, as pausas não pareceriam tão longas.

Uma coisa é certa, este jogo não é pêra doce! Por mais dias que passem, e por melhor que consigas gerir o stock e a equipa, é mesmo muito difícil chegares ao fim e conseguires sobreviver. Há um sem fim de possibilidades que te podem levar a cenários onde acabas por perecer, e no entanto há uma ínfima chance de sobreviveres em cada situação.

60 Parsecs!

Apesar de a estrutura do jogo manter-se sempre a mesma, é importante também mencionar que há 3 modos de jogo existentes. Sendo o primeiro o Space Drill, onde o jogador tem direito ao tutorial inicial dentro da estação espacial. Voyager, é um modo mais puxado, sendo indicado para quem quer logo recolher as provisões e os membros de equipa, e partir à descoberta no espaço. Por último, Survival, onde inicias o jogo já dentro da nave, com todo um stock de provisões e apenas com um tripulante para te acompanhar.

A respeito das personagens, que acho que é importante mencionar que deves munir-te da equipa que achas mais leal à tua chefia. Isto porque durante a tua viagem espacial, é frequente alguns membros começarem a duvidar das tuas capacidades, e até tentarem um motim ou trair toda a tua equipa. Assim, tenta descobrir que personagens é que tem mais a tua onda, e tenta gerir a situação com as mesmas, deixando então a com que menos te identificas para trás na explosão da estação espacial.

Em termos de arte, é aqui que 60 Parsecs! mais se destaca de 60 Seconds! O jogo apresenta um visual cartoonista e bidimensional, ao passo que o seu antecessor era tri-dimensional e passava-se num bunker, com uma família. É sem dúvida um estilo bem conseguido, e que propicia um ambiente palpável a todo o jogo. No entanto, tocando novamente no ambiente, a sonoridade que o acompanha não tem nada a acrescentar a esta experiência, sendo até dispensável. Em termos de animação então, só tens mesmo aqueles instantes em que estás dentro da estação espacial. Após isso, todo o jogo é um cenário interactivo e estático. Outras razões que me levam a pensar que seria mesmo indicado ter uma versão mobile deste jogo.

60 Parsecs! já está disponível na Steam, Humble e Gog para PC e Mac.

Conclusão da Análise
Uma odisseia espacial do outro mundo!
6.5
Cedo me apaixonei pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou pelo caminho da Animação e Pós-Produção, mas nos tempos livres, escrevo para voçês.