Como se pode ler na minha descrição, sou fanático por One Piece. No entanto, esta paixão tem sido cada vez menos latente. Não só por falta de tempo, mas também porque não tenho tido paciência para iniciar um novo anime ou andar à procura do episódio/capítulo em que fiquei de determinado anime ou manga.

Tenho, no entanto, andado atento ao mundo que os rodeia. Seja qual for o tipo de notícia, multimédia, alteração nas vozes, desenhistas, guionistas, como for, eis que descubro há uns anos Dragon Ball FighterZ.

Odisseia de Um Bit

Dragon Ball FighterZ veio mudar completamente o panorama dos animes no mundo dos videojogos. Sim, é verdade que existem umas quantas adaptações decentes como um ou outro videojogo do Naruto, ou até mesmo um dos Dragon Ball antigos (forever team Budokai 3). Dragon Ball FighterZ não vem mudar no sentido em que traz um novo género, mas antes uma nova vida. Nunca pensei ver um videojogo baseado num anime ser mais animesco que o próprio anime. É como se controlássemos a mão de Akira Toriyama.

Apesar do meu amor por One Piece (14 anos seguidos a acompanhar), eu cresci com Dragon Ball. Por isso sempre quis lutar como eles lutavam. Teletransportar-me como Goku ou Trunks (a minha personagem preferida do manga/anime). Só a minha televisão sabe o que sofreu com as tardes da SIC Radical, ou as cassetes da colecção completa que eu tinha…

Lê mais:  A Importância dos Modos Single-Player nos Videojogos

Com este videojogo sinto tudo isso. Não só o controlo sobre as personagens mas os próprios visuais, conseguem ser mais apelativos que o próprio anime incrivelmente. Os efeitos são soberbos. Nem sequer precisando de rivalizar com outro videojogo do género, pois é suposto ser assim. É a essência dos animes, a extravagância.

Odisseia de Um Bit
Glória, e todo o esplendor de Trunks

Com este espectáculo de visuais, tive de ir à procura de animes que me proporcionassem a sensação que Dragon Ball ou One Piece fazem sobressair em mim. A pesquisa não tem sido muito feliz, tendo também pesquisado poucos (tenho de ver pelo menos 3 episódios para saber se me captiva ou não, com One Piece foram 52 até entrar na cena…)

Felizmente, encontrei um que me tem suscitado bastante antecipação por cada próximo episódio. Sendo este Mobile Suit Gundam (o original, please), onde me fascino pela maneira como os visuais da altura (1979!) conseguem encher qualquer ecrã. Seja ele tablet, monitor ou televisão.

Gundam faz parte da velha guarda dos animes, o que me ajudou bastante no visionamento. Talvez seja isso que cria a relação ambivalente. O facto de um anime me fazer imaginar um videojogo, como este videojogo me fez re-imaginar o anime. Algo extremamente bem feito pela Arc System Works.

Não quis centrar o artigo no videojogo em si, apesar de ser uma rúbrica de videojogos, mas sim na forma como os videojogos suscitam (ou ressuscitam, no meu caso) interesse em outras áreas que não a mesma. Dragonball FighterZ é, sem dúvida, um videojogo a ter para qualquer fã de anime e videojogos de luta. Uma ode a Toriyama.

Lê mais:  Marvel's Avengers | Versões PS5 e Xbox Series X adiadas para 2021

Akira Toriyama

Fica a conhecer mais Odisseias de Um Bit.


Que animes me aconselhavas tendo em conta este texto? Venham eles!

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.