Concrete Genie, recente exclusivo PlayStation, é de uma imersão criativa incrível. Uma delicada obra-prima de obras-primas, claramente concebida com bastante carinho e imaginação. Uma viagem reflexiva ao que, hoje em dia, nós somos e ao que, hoje em dia, o mundo é.

Lê Mais:  Kill la Kill: IF | Ira Gamagori E Uzu Sanageyama Entram Nos Ringues

Conhece Ash

Ash é um jovem introvertido, que, tal como tantos jovens introvertidos, é altamente criativo. No massudo caderno que traz sempre consigo, Ash desenha e organiza todas as suas pinturas e todas as suas criações. Criações que, como poderás descobrir, merecem nomes, personalidades e universos próprios, que irão aproximar-te e envolver-te ainda mais na história de Concrete Genie. Denska, uma cidade industrial caída para lá da penumbra, na escuridão e no silêncio é o cenário da aventura.

Sentado numa pequena berma, Ash está a desenhar, até que os rufias do bairro decidem aparecer, como parece ser então hábito. No meio da confusão, o caderno de desenhos é-lhe arrancado das mãos, e todas as suas folhas são soltas, espalhando-se pela cidade e perdendo as criações de Ash, que mais tarde terás de recolher.Concrete Genie

Lê Mais:  Fallout 76 | Sabe Tudo Sobre A Beta Que Foi Anunciada

Imersão e Imaginação

Numa descoberta contínua, não só pelas páginas perdidas, mas por toda a essência de Concrete Genie, poderás explorar Denska, bem como o poder da imaginação (e da Super-Tinta!) sobre o mundo que te rodeia. Uma analogia subtil que podemos transportar para o mundo em que vivemos e que, certamente, estará presente ao longo de todo o jogo. Com os poderes que te vão sendo conferidos pelas criaturas que desenhas, abrirás novas portas, desbloquearás troféus, e avançarás então na história, num desbravamento das trevas, espalhando cor, luz e magia por onde quer que passes.

Concrete Genie é uma experiência imersiva, que não deixa grande espaço para abordagens e caminhos secundários. É bastante individual, pelo que darás por ti a criar desenhos detalhados e a encarar cada momento e cada elemento como referências pessoais e genuínas. A arte e os gráficos de Concrete Genie são igualmente cativantes. Escapando ao excessivo realismo a que a PlayStation nos habituou, é evidente que comportam uma forte componente animada. As criações são delicadamente bem-conseguidas e o ambiente gerado, quer pelo jogo em si quer pelo que produzes, é simplesmente magnífico.

Concrete Genie

Lê Mais:  PlayStation 5 | Retrocompatibilidade – Todas as provas reveladas

A Arte na Arte

O aspecto criativo é, possivelmente, o mais evidente no jogo. Grande parte das tuas acções passarão por desenhar e pintar, sobretudo em paredes e edifícios melancólicos. E aqui podes ter muito por onde escolher. Desde elementos da floresta a ondas do mar e insectos, até às estrelas, aos satélites e às frutas, o número de elementos disponíveis, para cenários e criaturas, vai aumentando à medida que coleccionas e recuperas páginas do teu caderno de desenhos. Uma viagem artística, progressiva e envolvente.

No entanto, não creio que seja um jogo no qual mergulhes sem voltar à tona. É bastante envolvente e intuitivo, mas, na sua base e na sua essência, pode revelar-se repetitivo. Apesar de te motivares com os avanços na história e com o crescimento do leque de criações, cada passo que dás parece mais do mesmo, tornando-se excessivamente semelhante a todos ou qualquer um dos passos anteriores. Sem dúvida, um bom fôlego para quem gosta de escapar até mundos imaginários, mas é apenas isso: um fôlego.

Se não aprecias a pirotecnia e os jogos feitos a metro, porque preferes algo mais indie, vais gostar do jogo. Se, por outro lado, te aborreces facilmente com falta de acção e movimento, esta pode não ser uma boa opção. Concrete Genie é, acima de tudo, de uma experiência tranquila, delicada e bastante criativa. Um jogo tocante e recheado de magia, reflexões e de simbolismo, do qual certamente tirarás, se for essa a tua ideia, mensagens verdadeiramente valiosas.

Concrete Genie, da PixelOpus, está disponível a partir de hoje em exclusivo para a PlayStation 4.

Conclusão da Crítica
Quando a imaginação comanda, geralmente faz-se luz.
8