Com o lançamento dos dois colossos, no que toca à simulação de futebol, chegamos a uma altura em que ambos estão no mercado e, obviamente, propensos a serem comparados.

Digo desde já, que esta comparação é na minha óptica, e obviamente que muitas opiniões irão divergir da minha. Pelo que a opinião de cada um vale o mesmo que as outras. Apelo então a que leiam tudo e que respondam de forma construtiva, para que possamos ter uma troca de ideias positiva.

Jogabilidade

PES 19
PES 19
Lê Mais:  Paris Games Week | PlayStation Apresenta A Continental Cup 2018!

Começando pelo óbvio, a jogabilidade, tanto FIFA como Pro Evolution Soccer estão no auge da simulação do desporto-rei, no entanto a definição de “auge” não é igual para ambos. Não é novidade nenhuma, que a jogabilidade em ambos nunca foi igual, ou seja, cada jogo se focou na sua vertente, um mais arcade outro mais realista. Aqui o critério fica ao dispor de cada um. Eu por exemplo considero PES como o verdadeiro simulador de futebol, enquanto que FIFA apenas apresenta uma versão arcade. Isto não só pela rapidez e facilidade com que se transita com a bola, mas também pela maneira como incorporaram todas as fintas possíveis num jogo de futebol. Claro que não se deve julgar um videojogo por isso, mas não se considera plausível um jogo onde um lateral consegue fazer Rainbow flicks, ou jogamos contra alguém que faz elásticos da própria área até à nossa.

Apesar da jogabilidade rudimentar em PES, os remates têm de ser dominados e treinados ao máximo, para que na hora H não haja piedade. Considerando isto, os passes são completamente opostos. Embora seja notório o trabalho que fizeram com os remates em PES, os passes deixam muito a desejar. Em FIFA conseguimos palpar o passe como o fazemos, e aqui os erros custam caro, pelo que valorizamos a aprendizagem do jogo nas desmarcações. Já em PES podemos carregar a barra ao máximo e o passe vai para o jogador ao lado.

Controlo

FIFA 19
Lê Mais:  PES 2019 | Análise

O controlo sobre o campo varia em cada jogo, e quando falo em controlo, falo da IA. A Inteligência Artificial tanto pode abonar a nosso favor como nos pode custar um jogo. Vou deixar o kick off goal de parte, pois isso desafia a paciência de qualquer jogador que tente levar o jogo a sério. Creio que em PES jogamos como um todo, onde a nossa direcção impulsiona a equipa para o sentido em que nos deslocamos. Com as tácticas predefinidas conseguimos criar um plano de jogo adaptado às nossas ideias. Em FIFA temos uma maneira diferente de abordar o campo, ou seja, a IA concebe ideias por ela própria. Sempre adaptada ao nosso plano claro, mas tenta sair da box, o que muitas vezes nos consegue um golo ou nos custa um.

A individualidade pesa muito, e é aqui que PES leva a melhor sobre FIFA. Em PES temos um sistema de individualidade por jogador. Utilizando um algoritmo próprio, a equipa nipónica conseguiu extrair o máximo de informação estatística sobre cada jogador, e utilizar esse algoritmo para que sintamos uma encarnação em campo. FIFA incrivelmente foi perdendo isso aos poucos, com apenas uma selecção elitista se enquadra nos jogadores com traços próprios, criando assim um saco com pouca variedade de fruta.

Arte

PES 19
Lê Mais:  Castlevania: Symphony of the Night | Retro-Análise

Em termos gráficos creio que não existe discussão, já há anos que PES se mantém à frente de FIFA, seja em termos gerais como nos próprios jogadores. O FOX Engine trouxe uma evolução sem precedentes já com Metal Gear Solid, pelo que a transição para jogos mais fechados como Pro Evolution Soccer foi exímia. FIFA pelo contrário usa o motor Frostbite, um motor extremamente eficaz na conjugação do grafismo com a jogabilidade, mas que peca na maneira como o utiliza, dando mais ênfase à bancada do que aos jogadores ou ao campo.

A comparação da interface de cada jogo é simplesmente injusta, pois PES deixa que FIFA ganhe sempre sem competição. Como disse na minha análise a PES este ano, os menus são sempre as mesmas imagens sem sal, quase que saídos da era da Playstation 2. FIFA vai refrescando a sua imagem, criando o que na minha opinião é um dos melhores aproveitamentos dos loadings na história dos videojogos: a Arena. Juntando a estes factores, PES consegue ainda ficar mais abaixo. Pois a banda sonora que traz todos os anos, é das piores que existem nos videojogos de desporto, creio que uma olhadela a jogos da NBA ou da WWE sirva de exemplo.

Conclusão

FIFA 19
FIFA 19
Lê Mais:  FIFA 18 | Videojogo Alcançou Um Marco Histórico Na Franquia

O verdadeiro ponto de venda em FIFA e em PES é na interactividade com outros jogadores, e aí PES cada vez mais corre atrás do rival. FIFA consegue ano após ano reinventar o modo Ultimate Team e o modo Clubes, aliando estes a um modo história chamado The Journey. Com PES a investir no modo My Club, isto apenas não chega para rivalizar, e nota-se perfeitamente no volume de vendas entre cada um.

No fim de contas, tanto FIFA como PES têm uma base de critérios já característicos, o que leva a que as pessoas se inclinem para um ou para o outro consoante os gostos. Isto não invalida que existam elementos que, comparados entre ambos, sejam mais trabalhados. Com PES a optar pela simulação 1:1 e FIFA a colocar o empenho na jogabilidade arcada, criam-se maneiras e feitios, com contra-partes em cada um. O gosto e critério do jogador é que pesa na escolha destes titãs.