Confesso que não jogo muitas vezes este tipo de jogos, e talvez seja por isso que nas primeiras partidas só me apetecia partir algo, pela dificuldade desafiante que Everspace me apresentou.

A nossa história, começa numa espécie de reunião com dois homens aparentemente importantes. A coisa parece não correr lá muito bem, pois o nosso personagem começa a discutir e acaba por ser amarrado, e um liquido estranho é lhe injectado. Após isto, tudo o que sabemos é que de alguma forma, conseguimos fugir numa nave directamente para o tutorial. Com isto, a história não é vaga, ao contrário do que possas estar a pensar, mas é contada pouco a pouco, pois o nosso personagem sofre de amnésia, o que nos faz querer voltar ao jogo e tentar ir ainda mais longe. Este vício começa a gerar-se ao passo que queremos descobrir quem somos e o que se passou para aquela reunião ter o fim que teve.

Lê Mais:  Mario & Sonic At The Olympic Games Tokyo 2020 | Novidades SEGA anunciadas

Em termos de jogabilidade do jogo em si, basicamente, podemos passar todos os níveis em segundos, ao dar um salto no espaço, desde que tenhamos combustível suficiente. Também podemos saltar sem combustível, mas é extremamente desaconselhado, porque a nave não fica lá muito saudável…

Ao entrarmos em cada nível, encontramos a localização de vários recursos que podemos explorar. Estes, são o foco do jogo e podem ser usados para reparações ou melhoramentos na nossa nave, ou até para trocar por outros recursos. E isto se tivermos a sorte de encontrar alguma nave de vendedores nas redondezas… Pouco depois de andarmos a explorar o nível, o ícone verde dos saltos aparece e é só termos a nave alinhada com ele e carregar a 100% para partirmos em frente. O mapa daquele sector é aberto e só temos de escolher para onde ir.

Há níveis do mais calmo que existe, onde podemos andar e não ver absolutamente ninguém. Contudo, o contrário também é possível, e mal chegamos a um nível, estamos a levar com lasers e misseis. Claro que temos as nossas armas também, mas é difícil contra-atacar de imediato. Será pelos comandos? No meu caso foi. Perdi muitas vezes por não me entender com eles. São fluidos e bem responsivos na verdade, mas só consegui destruir inimigos quando usei outra configuração para além da normal. Aí sim. Consegui ser recompensado com os doces créditos que cada vez que iniciamos o jogo, nos permitem fazer melhorias na nave ou comprar outras novas.

Everspace

Lê Mais:  Future Grind | Análise

Para um amante do espaço este jogo é algo lindo. Cada nível tem vários elementos únicos como planetas em fogo, ou em gelo, a orbitar entre outros corpos celestes, sempre banhados por uma estrela branca. O jogo fluí lindamente e nunca senti algum abrandamento.

Com um modo “Hardcore” muito difícil, são precisas muitas horas para explorar o jogo. Mas quando estivermos aborrecidos, podemos sempre ver o artbook que é o único sítio onde se pode ver algum inglês escrito. De resto houve um esforço notório para traduzir o jogo para português, pelo menos na escrita e legendas.

Everspace já está disponível para PlaySation 4Xbox One, Nintendo Switch e na Steam para PC, Mac e Linux.