Uma brutal avalanche de problemas banais e recorrentes que podem, num abrir e fechar de olhos, alcançar proporções inimagináveis, à medida que procuras soluções para tudo o que vai surgindo. Seja para ligar um projector no gabinete ou para regar algumas plantas, em Good Job! até para as tarefas mais simples pode ser necessário deitar uma, duas ou dez paredes abaixo.

Chegou o teu momento! Dentro de pouco tempo, poderás assumir o lugar de CEO na empresa do teu pai, mas, ao contrário de alguns, terás de trabalhar bastante para o conseguir. E uma vez que é impossível instalar um telhado sem quaisquer paredes, a tua escalada corporativa começa naturalmente por baixo. À medida que superas missões, vão sendo desbloqueados patamares superiores no edifício da empresa, aproximando-te assim do teu principal objectivo: o último piso.

Pelo caminho, o teu papel é assegurar que todos os pequenos (e grandes) problemas da empresa acabam resolvidos. Para isso, terás de solucionar os vários quebra-cabeças propostos, procurando sempre a solução mais prática, mais viável e, por vezes, menos óbvia.

Puxa pela cabeça

O movimento e a interação com elementos são, sem dúvida, dois dos principais pontos fortes do jogo. No decorrer de cada nível, onde tentas solucionar tarefas numa determinada divisão da empresa, tens oportunidade de interagir com quase todos os objectos, coleccionar itens de personalização e aceder a praticamente todos os pontos do espaço envolvente. Ainda que não ofereça necessariamente uma exploração profunda ou considerável dos departamentos e escritórios, esta componente assegura uma experiência de jogo bastante rica, na medida em que permite uma abordagem criativa e alternativa à chave de Good Job!: os quebra-cabeças e as missões que vão surgindo ao longo da tua progressão na carreira. Estás perante um Puzzle, como tal terás mesmo de pensar e, quem sabe, de recorrer à tua vertente mais criativa.

Em termos práticos, imagina que precisas, por exemplo, de activar a rede sem-fios do escritório. Em circunstâncias normais, bastaria pressionar um ou dois botões e activá-la no dispositivo. Pois, mas em Good Job! não. Para começar, precisas de posicionar os grandes emissores em locais estratégicos. Depois, caso estes principais pontos de emissão não cheguem a todo o lado, vais ter  de usar amplificadores. Esses amplificadores terão de ser colocados estrategicamente de forma a alcançarem todos os trabalhadores do departamento. Se eventualmente existirem objectos ou paredes a bloquear a rede, bem: terás de fazer mudanças na decoração e na arquitectura do escritório. Seja para transportar, destruir, activar ou limpar, pensar fora da caixa pode ser a melhor opção!

Good Job!

Puzzles com estilo

Por muito que resolver quebra-cabeças possa parecer aborrecido e até frustrante, a Paladin Studios soube contornar o obstáculo. Ou deitá-lo abaixo. Good Job! vive de cores berrantes sobre cenários simples, alcançando um visual extremamente cativante. Graficamente, não existem pontos negativos a apontar, uma vez que tudo parece assentar no lugar certo. O áudio é minimalista e não te impede de te concentrares na tarefa. Por outro lado, se gostas de ouvir música (da tua playlist) enquanto jogas, nada te impede de o fazeres. Sem diálogos ou uma BSO que requeiram particular atenção, creio que o ambiente sonoro acaba por ser uma escolha tua.

No entanto, as tarefas não têm de ser necessariamente individuais ou introspectivas. Dizem que duas cabeças não pensam como uma, e é provavelmente verdade. Talvez aqui o mesmo se aplique às duas e às quatro mãos, no que toca a recolher objectos perdidos ou a organizar montagens articuladas de peças. Experimenta dividir o trabalho na empresa com um amigo ou com uma amiga, e tudo fica mais simples. Ou então não. Mas mais divertido será de certeza!

Good Job!

Good Job!

Mais do que curioso, este “bom trabalho” é bastante literal. Para ascenderes na carreira, terás de superar todas as missões de cada departamento. No final de casa nível bem sucedido, receberás um simpático “Good Job!”, que te indica que estás mais perto de chegar ao último piso da estrutura empresarial. Acontece que, assim como em muitas empresas, aqui todos os dias de trabalho são diferentes. Tanto te pode ser pedido que limpes o chão como que reúnas os trabalhadores ou aqueças as correntes de água. À medida que avanças, os puzzles são naturalmente mais complexos, acabando, ainda assim, por não cair no absurdo da dificuldade, mantendo o equilíbrio entre o desafio e a não-frustração.

A disposição de elementos na tela e o próprio grafismo auxiliam sem dúvida a que as missões tenham sucesso. Semelhantes a peças LEGO, as personagens e os objectos circulam e articulam-se através de uma óptica simples, contribuindo para que os elementos secundários não perturbem o exercício de resolução dos puzzles. No entanto, certos movimentos podem tornar-se confusos e problemáticos, nomeadamente quando envolvem guiar ou manusear rodas e carrinhos. O principal ponto fraco a apontar é possivelmente este: a extensão de controlo da personagem para outros elementos. Nada, no entanto, que não possa ser compreendido e superado. E, caso estejas em apuros, podes sempre recomeçar o nível ou enviar a personagem para o ponto de partida.

Good Job!

Creio que, contrariamente a outros jogos, Good Job! não se destacará para a maioria dos jogadores. É, ainda assim, um título a adicionar a qualquer colecção Nintendo Switch que se queira completa, diversificada e para todas as ocasiões. As partidas são relativamente rápidas, dependendo da tua prática, da agilidade mental para desenrascar em situações complexas e até mesmo do teu estado de espírito. Acredito que, recentemente, nenhum outro Puzzle me divertiu tanto como este.

Contrariamente, por exemplo, ao caso de Automachef, não senti aqui qualquer frustração perante objectivos mais complexos, nem senti que os níveis fossem meramente acessórios. A dificuldade é adequada; a jogabilidade, ainda que pudesse ser melhor, é bastante satisfatória; e, em termos de gráficos e interacção, não há nada de negativo a apontar. A originalidade parece pensada até para os pormenores mais básicos e inteligentemente incorporada no conceito, acabando por distinguir Good Job! dos restantes recém-lançados do género.

Lançado a 26 de Março, Good Job! está agora disponível para Nintendo Switch.

Conclusão da Análise
Um bom trabalho!
8

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.