Desenvolvido e editado pela Owlchemy Labs, o videojogo que te trago hoje garante dar trabalho a todos os jogadores que procurem uma ocupação no mundo da realidade virtual, isto ou pelo menos umas boas horinhas de entretenimento, em que podes largar todas as tuas frustrações do quotidiano num emprego fictício.

O título do jogo é bem explicito do seu conceito e conteúdo, sendo que este se trata de um Job Simulator onde desempenhas o papel de um empregado em diversos tipos de trabalhos.

Quando iniciamos o jogo, descobrimos que estamos num museu muito futurista, tipo ano 3000 e tantos, onde temos a possibilidade de aceder a arquivos, com registos de simulação de alguns dos trabalhos mais típicos da civilização humana. Através destes arquivos, vestimos a pele de um humano, no mesmo universo futurista em que nos encontramos no museu, constituído por uma sociedade inteiramente feita de robôs e em constante desenvolvimento. Aqui, é de estranhar que todos se refiram a ti como sendo um humano, embora tal se possa dever ao facto de entrares dentro de uma simulação, dentro do próprio simulador. Dito isto, ao longo de toda a sessão do jogo, não vi mais nenhum espécime da nossa natureza… enfim boas e más notícias I guess… Mas ao contrário do que possas pensar, estes robôs com quem interages não são criaturas que te olhem com superioridade e desdém, são mesmo dotados de personalidades e de empatia, sendo que até chegas a trabalhar lado a lado com os mesmos.

Lê mais:  Hello Puppets! | Análise

Quais os tipos de trabalho que podes desempenhar aqui? Bem, podes desempenhar 4 tipos de trabalhos diferentes, que se revertem em 4 modos de jogo. Podes ser um mecânico de automóveis no Auto Mechanic, um chefe de cozinha no Gourmet Chef, um empregado na caixa de um mini mercado no Store Clerk, e ainda, um empregado de escritório no Office Worker. Estes 4 modos de jogo podem parecer pouco conteúdo para um jogo, mas dada a longevidade média dos jogos VR, tendo em consideração as horas de conteúdo vs replay value (re-jogabilidade do jogo), devo dizer que este garante-te à vontade um mínimo de 5 horas para experimentares tudo, e ainda ficarás com vontade de voltar. Job Simulator não é comparável com o Inpatient por exemplo, que pagas, jogas uma vez, e muito provavelmente deixas-lo encostado a um canto.

Mas o factor que realmente sobressaí é o seu tom humorístico, que dá azo à brincadeira e intervenção por parte do jogador, e até nos deixando fazer umas horinhas extras de trabalho…

Job Simulator

Lê mais:  Blood & Truth | Novos Conteúdos Gratuitos Já Disponíveis

Sem grandes texturas, Job Simulator conseguiu-me agradar pelo seu tom cartoonish e pela sua cumplicidade. Com isto, é importante referir que apesar de ter jogado o Port para os Oculus Quest, este não apresenta grandes diferenças em relação às outras versões do jogo para outras plataformas, muito devido ao seu design simplista.

Devo dizer que, ao nível dos dos controlos, o mapa de botões também foi bem adaptado aos Oculus Touch Controllers. De uma maneira intuitiva, percebes como é que tudo funciona, e te habituas a interagir com os objectos, sendo que às vezes até bastam as simples leis da física para fecharem portas ou empurrar coisas, sem que precises de pressionar quaisquer botões.

Job Simulator já está disponível para PlayStation VR, HTC Vive, Oculus Rift e Oculus Quest.

Conclusão da Análise
Engraçado
6.8
Cedo me apaixonei pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou-me pelo caminho da Pós-Produção e da organização de Eventos de cultura pop, mas o meu tempo livre, dedico-o a ti e à Squared Potato.

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.