Recentemente, tive a possibilidade de voltar a reviver o extraordinário universo de Life Is Strange com a prequela Before The Storm. Eu pensava que o primeiro jogo já me tinha surpreendido com uma montanha russa de emoções. Mas Before The Storm conseguiu superar as minhas expectativas e veio adicionar algo único à franquia.

Criado pela Deck Nine Games e publicado pela Square Enix, esta prequela foi lançada em 2017, e centra a sua história na lendária Chloe Price. Before The Storm divide-se em três episódios de história central e um episódio extra. Neste artigo, vou analisar todos em um e falar sobre os componentes que a edição limitada contém!

Lê mais:  Life Is Strange 2 | Documentário Mostra O Desenvolvimento Do Videojogo

 

A narrativa decorre três anos antes dos acontecimentos de Life Is Strange e apresenta-nos uma versão mais jovem de Chloe. Com apenas 16 anos, a protagonista encontra-se a lidar com vários momentos complicados na sua vida. Estes incluem a morte recente de seu pai, e o inesperado distanciamento de Max. Devido a isto, ela adopta uma atitude de revolta com o mundo que a rodeia.

Logo no início, Chloe demonstra a sua típica rebeldia ao querer entrar de socapa num antigo celeiro para assistir a um concerto dos Firewalk. Após conseguir isto, a protagonista é confrontada com dois indivíduos embriagados. Acaba por ser salva pela pessoa mais improvável de sempre: Rachel Amber, a rapariga popular e enigmática de Blackwell.

As duas desfrutam do resto da noite unidas por um inegável elo de química. No dia seguinte, partem em novas aventuras, tornando-se inseparáveis com o passar do tempo. No entanto, Rachel descobre um segredo devastador sobre a sua família. E a partir daí, a amizade de ambas irá ser colocada à prova numa derradeira tempestade de ilusões.

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Life Is Strange 2: Episódio 2 | Análise

 

Mesmo sabendo que se trata de uma prequela, eu aconselho a todos os que são novos a esta série a jogarem o Life Is Strange e depois o Before The Storm. Até porque há muitas referências que só terão o seu merecido impacto se tiverem jogado o primeiro título.

A comparar com o primeiro Life Is Strange, grande parte da jogabilidade básica manteve-se. O jogador controla a personagem em terceira pessoa e pode interagir com objectos ao seu redor para descobrir informações adicionais. O sistema de escolhas continua a ser abrangente, o que permite à história desenvolver-se de várias maneiras distintas. Alguns cenários também já são familiares, mas podemos explorar outros locais que incluem a adição de novas personagens.

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Life is Strange 2: Episódio 3 | Análise

 

É importante salientar que novos elementos foram introduzidos! A opção de recuar atrás no tempo já não se encontra presente. Foi substituída por uma mecânica igualmente inovadora e menos sobrenatural chamada “Backtalk”. Ao seleccionarmos “Backtalk” durante diálogo, Chloe começa a contrariar personagens com argumentos persuasivos até conseguir aquilo que pretende.

O nível de persuasão é medido por um parâmetro que mostra quem está a ganhar na conversa. Isto obriga o jogador a estar mais atento às falas das personagens para seleccionar as respostas mais adequadas. Muitas vezes “Backtalk” pode influenciar o desenrolar da história, e mostrar um percurso completamente diferente. Admito que esta nova forma de interacção combina muito bem com a personalidade rebelde de Chloe, e proporciona vários momentos cómicos à narrativa.

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Jogos Do Mês | Edição de Dezembro 2019

 

Enquanto no primeiro jogo os coleccionáveis envolviam tirar fotos com a câmara de Max, em Before The Storm podemos fazer grafitis nos locais mais inesperados.

Como é característico de Life Is Strange, os diálogos estavam muito bem criados para cada personagem. Para além de serem imprevisíveis e realistas, em várias situações podia identificar-me com o que diziam. O jogo também faz um trabalho excelente em conseguir captar os momentos mais belos e degradantes que podem surgir no início de uma nova amizade. A destacar como um dos meus favoritos, é a peça de teatro “The Tempest”. Nesta, Rachel ajoelha-se perante Chloe e faz uma declaração cheia de ternura improvisada a partir do guião original. Durante este momento, eu juro que fiquei super comovida!

Life is Strange

Lê mais:  Dreams | Revelada a Data de Lançamento da Expansão para PlayStation VR

Uma amizade improvável

Quando joguei o primeiro jogo, sempre via a Rachel como um factor de mistério, devido ao seu desaparecimento. No entanto, a prequela conseguiu apanhar-me de surpresa e superou todas as minhas expectativas. A apresentação de Rachel é algo verdadeiramente encantador. E vê-la a ganhar vida mesmo à frente dos nossos olhos parece pura magia.

A amizade entre ela e Chloe desenvolve-se de uma forma quase magnética e a um ritmo acelerado. Dá para perceber que tudo o que elas vivem é intenso. O que é normal acontecer para alguém da idade delas. Muitas vezes consegui identificar-me com a sua amizade espontânea, pois foi algo que já experienciei quando era mais nova. Reviver algo que já me parecia tão distante, trouxe-me várias emoções nostálgicas ao de cima.

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Twin Mirror | Trailer revela data de lançamento

 

Chloe e Rachel completavam-se de uma maneira fascinante, dependendo uma da outra para ultrapassarem os seus problemas. Rachel via na Chloe uma fuga para a sua rotina, e Chloe via na Rachel a luz para a sua vida. Entretanto, não pude deixar de notar que Rachel também possuía algumas características menos positivas. Por vezes, ela tornava-se manipuladora com Chloe e ficava frustrada quando não conseguia algumas coisas à sua maneira. Por outro lado, Chloe tornava-se bastante vulnerável ao pé de Rachel e deixava-se influenciar rapidamente por ela.

O jogo também deixa bastante claro que Chloe está a sofrer com a morte de seu pai. E daí a sua revolta com David, o actual namorado da mãe. A protagonista tem visões esporádicas com a aparição de William. E por vezes este assume a posição de orientador para a vida da filha. Estes momentos conseguem tornar-se extremamente emotivos. Pois apesar de ambos continuarem tão próximos em sonhos, existe sempre uma distância marcada por alguns simbolismos mórbidos. Como é caso frequente do corvo, que se torna um presságio para algo de mau prestes a acontecer. Este acompanha Chloe durante a maior parte da narrativa.

Life is Strange

Lê mais:  Kena: Bridge of Spirits | Novas Imagens Incríveis e Detalhes Revelados

 

Em Before The Storm, alguns elementos do primeiro jogo também começam a ganhar mais significado ao serem enquadrados na amizade entre Chloe e Rachel. Por exemplo, a lixeira era o lugar que elas recorriam para se refugiarem dos seus problemas. O cabelo azul de Chloe, as suas tatuagens, o seu carro e até a famosa expressão “hella” tornaram-se claras manifestações da presença de Rachel na sua vida.

Life Is Strange tem a estranha habilidade de conseguir capturar a beleza efémera da vida e foi isso que senti em relação a esta amizade. Tudo o que é bom, eventualmente acaba. E Before The Storm faz questão de deixar um pequeno lembrete final que nos atinge como um balde de água fria. Para quem jogou o primeiro jogo, já sabe o que esperar…

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Spin Rhythm XD | Ritmo Alucinante!

Edição Limitada

Para quem estiver com curiosidade, a edição limitada do jogo vem acompanhada de um pequeno livro de arte, um pacote de roupas novas para a Chloe, um CD com a maravilhosa banda sonora do jogo, e o modo Mixtape que permite mudar a música durante certos momentos da história. O DLC Farewell também está incluído, o qual irei analisar já de seguida!

Aqui fica uma foto artística do meu jogo com tudo o que engloba a edição limitada:

Life is Strange

Lê mais:  Final Fantasy VII Remake | 5 Novos Vídeos Comerciais Revelados no Japão

Episódio Extra: Farewell

Acompanhando o mesmo estilo de jogabilidade, este DLC é o episódio que finaliza a primeira temporada de Life Is Strange. Nele podemos presenciar os últimos momentos de infância partilhados entre Max e Chloe. As duas passam o dia a brincar aos piratas e a recordarem-se dos velhos tempos quando eram mais novas.

Desta vez, voltamos a tomar controlo de Max, que logo no dia seguinte se vai mudar para Seattle. Esta divide-se no dilema de revelar ou não este segredo a Chloe. No final, prefere adiar para desfrutar ao máximo do que pode ser a última oportunidade de estar com a sua melhor amiga. Pouco ela sabia que um acontecimento ainda mais trágico iria desencadear no mesmo dia… É um episódio chocante que começa da forma mais inocente possível e muda o seu rumo para ter uma sequência de momentos devastadores a acontecer ao mesmo tempo.

Life is Strange: Before the Storm

Lê mais:  Resident Evil 3 | Fica A Conhecer As Personagens Apresentadas No Novo Trailer

 

Depois de jogar este episódio, fiquei mais esclarecida sobre os motivos que levaram à relação entre Max e Chloe ter ficado em más águas no início do primeiro jogo. Sem dar muito spoiler, tenho que admitir que fiquei um pouco desapontada com Max. Ela nunca se preocupou em manter contacto com Chloe na altura que esta mais precisava. Por esta e outras razões, nunca mais fiquei a olhar para Life Is Strange da mesma maneira.

Life Is Strange: Before The Storm já se encontra disponível para várias plataformas, nomeadamente, PS4, Xbox One, PC, Android, iOS, Linux e Mac OS Classic.

Conclusão da Análise
Hella Brutal!
9
Desde infância que sempre tive uma grande paixão por todo o tipo de videojogos, não consigo passar sem as minhas playstations e adoro explorar todas as aventuras que estas me oferecem. Para além disto, adoro escrever sobre o meu hobby e de partilhá-lo com muitas outras pessoas. Espero que gostem do meu contéudo!

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.