Na indústria dos videojogos, nem todos os lançamentos são de sequelas ou franquias novas. Por vezes, saem clássicos reinventados, obras adaptadas e segundas oportunidades para franquias conhecidas.

A história é feita de padrões: por vezes repete -se, outras vezes adapta-se!

Final Fantasy X X2
Foi lançado a 16 de abril de 2019, mas quão novo é realmente este jogo? Imagem via Fnac.pt
Lê Mais:  Nintendo | Patente De Capa Ao Estilo Game Boy Foi Descoberta

Afinal, e com base na sua relação com o passado, que tipos de lançamentos existem? Pois não sei, mas com base na minha opinião e no que leio (cofWikipediacof), classifico-os deste modo:

  • Lançamento: jogo novo (capítulo ou franquia)
  • Remake: jogo antigo que é novo
  • Remaster: jogo novo que é antigo
  • Re-lançamento: jogo antigo que é antigo (com lançamento novo)
  • Rebootjogo novo que é novo (com título antigo)
  • (eventual) Release: jogo antigo que nunca saiu (até que saiu)

Mas o que diferencia um remake de um remaster? O que pode ser considerado um reboot?

É este o primeiro tema do Neo Retro, uma coluna – esperemos – onde se discute o impacto do retro na atualidade dos videojogos!

Time Squad
AVISO: isto é uma OPINIÃO PESSOAL com base na experiência e perspetiva do autor. Ao contrário destes gajos, não sou especialista!
Lê Mais:  Phoenix Wright: Ace Attorney Triology | Compilação Vai Ser Lançada Para Todas as Plataformas

Para começar, não vou falar de jogos completamente novos: ou são franquias novas ou capítulos completamente inéditos numa série familiar.

Também não vou falar de sequelas espirituais, termo normalmente associado a obras que seguem noções ou se passam no universo de outros videojogos.

Por conseguinte, o primeiro tema vai ser…


Remake

E se o jogo fosse criado em/para…?

Remakes são, tal como o nome sugere, recriações de jogos antigos com base noutra tecnologia ou visão.  Frequentemente, acabam por ser bastante diferentes dos originais, seja em termos visuais ou de jogabilidade.

Resident Evil
“E se Resident Evil fosse criado em 2002?” – imagem de spacemancentral
Lê Mais:  Comic Con Portugal 2018 | Super Smash Bros. Ultimate Marcará Presença No Evento

O Resident Evil da GameCube é um excelente exemplo de remake: não só tem gráficos e som adaptados à “nova” geração, como também uma jogabilidade refinada.

Como aparte, é importante realçar que os remakes nem sempre são reinvenções adaptadas ao contexto “actual”. Aliás, há remakes baseados em épocas mais antigas que a original (demakes).

Bioevil4
E se Resident Evil 4 tivesse sido feito para a NES?” – Bioevil4 é gratuito no itch.io

Em suma, um remake não é só uma adaptação a um meio tecnológico; é sim uma reinvenção do conceito e, consequentemente, reflexo do contexto a que se aplica!


Remaster VS Re-lançamento

Como posso Relançar o jogo em/para…?

Para mim, remaster é uma adaptação mínima de um jogo a outra plataforma ou contexto, mantendo-se praticamente idêntica à original.

Em contraste, um re-lançamento é… exactamente o mesmo jogo!

Mark of the Ninja Remastered
“Mark of the Ninja Remastered” – como posso relançá-lo para um PC mais potente?
Lê Mais:  Dragon Ball FighterZ | Conteúdo Natalício E Edição Deluxe A Caminho

Enquanto que o remaster pode ter gráficos ou som retocados, ou mais algum modo ou funcionalidade, o relançamento é a experiência pura, sem “modernices” (vem num pacote com extras, no máximo!)

E enquanto remasters saem em plataformas actuais, o “relançado” pode requerer máquinas antigas ou aplicações pouco “acessíveis” (como emuladores). E enquanto remasters incluem clássicos da PlayStation 3 na sua sucessora (God of War 3, etc.), relançamentos são frequentes em lojas como o Good Old Games (Diablo, Fallout, etc.).

Também há os ports: jogos simplesmente lançados em plataformas diferentes. Normalmente não os considero relançamentos, por não serem na plataforma original, mas será correto chamá-los de remaster quando não tem melhorias perante os originais?

Doom
port de DOOM na Switch: remaster, demaster ou nada disso? Imagem via Fnac.pt (outra vez!)

Reboot – tudo novo (menos o nome)

que fazer para tornar… relevante de novo?

Para mim, esta é a definição mais ambígua de todas. Isto porque podemos chamar reboot a tudo o que tente revigorar uma franquia adormecida com um jogo completamente novo, mas que, possivelmente, herda o título do original!

Vejam só os casos de Mortal Kombat (2011), Tomb Raider (2013), Prince of Persia (2008) e…

Sonic The Hedgehog
… ok, ESQUEÇAM!
Lê Mais:  Pokémon Let’s Go, Pikachu! / Eevee! | Edição Especial Da Switch Revelada!

(eventual) Release – e ao terceiro década dia, ressuscitou!

Como seria se… tivesse saído?

Star Fox 2
Para quando uma versão física? — imagem via Nintendo
Lê Mais:  Celeste | Análise

Estou convencido que já se interessaram por um jogo que é, por algum motivo, cancelado.

Eu lembro-me de casos como Star Fox 2, 40 Winks na Nintendo 64 e Sonic X-Treme.

Felizmente, existem hoje casos muito interessantes de jogos cancelados há décadas e que acabaram por sair, muitos deles até na plataforma original! E não são remake nem reboot, porque simplesmente nunca saíram.

Realmente, devíamos agradecer a bruxarias como a internet, o crowdfunding, e a especialistas como a Piko Interactive por estes sucessos! Esta última, além de 40 Winks na N64, também recuperou…

FPS Game Boy Color
… um FPS para o Game Boy Color?!

Finalmente, temos ainda casos de fãs a recuperar projectos perdidos, como este clone de Street Fighter. E, quem sabe, talvez ainda recuperemos Sonic X-Treme na Sega Saturn


E tu, o que és?

Gostaria de terminar com um desafio. Com base no que leram e na vossa opinião, como classificariam cada um destes lançamentos?

Que outras categorias considerariam? E que casos de lançamentos de remakes, remaster ou reboot? Dêem-nos o vosso feedback!