Independentemente da frieza com que jogamos, irão existir sempre jogos que irão colocar a nossa postura à prova, e Partisans 1941 capitaliza nessa tensão. Criando uma pressão que, embora já nos seja conhecida, acaba sempre por nos deixar com os nervos à flor da pele, tal é o peso que temos em cima dos ombros.

Assumimos o papel do Comandante Zorin, o líder dos Partisans, um pelotão russo constituído por prisioneiros de guerra, numa demanda pela liberdade. O nosso objectivo passa por eliminar os guardas Nazis dos seus campos, numa jornada caracterizada pela sabotagem e assassinato, sendo que o menor erro pode-nos custar o nível, dado o estilo de jogo deste género.

Partisans 1941

Para quem jogou Blades of the Shogun, Desperados, ou o avô do género, Commandos, sabe bem o que o espera. Níveis infestados de guardas em cada canto, onde cada movimentação terá de ser calculada ao pormenor. Cada personagem terá as suas habilidades, no entanto, não esperem uma narrativa ao estilo de Desperados, pois as suas personalidades são apenas existenciais para o objectivo de jogar, nunca sendo aprofundadas.

Terão duas maneiras de abordar o nível: ou passam indetectados pelos pelotões de soldados alemães, ou entrando em conflito directo com as tropas alemãs. Isto claro, vai depender do nível em que se encontram. No fim de cada missão, irão retornar a um acampamento que serve de hub, onde irão destacar outros Partisans com o fim de obterem recursos e comida, sendo que, no fim de cada sub-missão, recebemos um relatório a detalhar como correu.

Lê mais:  The Long Dark | Análise

Partisans 1941

Onde Partisans 1941 se destaca é na maneira como torna este acampamento uma distracção do jogo principal. Ou seja, além das missões já referidas, teremos ainda a possibilidade de melhorar a nossa base, por assim dizer. Podemos construir uma espécie de bancada onde convertemos o que vamos apanhando em armas, ou até mesmo tendas médicas.

O loot tem também um toque adicional aos jogos do género, na medida em que o melhor se encontra em casas de civis. No entanto, ao furtarmos casas de pessoas inocentes, recebemos uma agravante moral, prejudicando assim a pontuação obtida no fim de cada nível.

Partisans 1941

Ao contrário dos congéneres, Partisans 1941 acaba por ter um visual meio gasto, no sentido em que não captiva o jogador. Concordo que se adequa ao tema em questão, mas mesmo a palette utilizada acaba por não salientar a tensão vivida nos campos. Aliado a um visual desgastado, temos interpretações que cortam a imersão de qualquer jogador, dado o forte sotaque britânico dos soldados que supostamente seriam alemães ou russos.

Partisans 1941 encontra-se disponível na Steam para PC.

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.