Com a minha recente aquisição dos Oculus Quest, não pude deixar de explorar mundos virtuais, conhecendo o outro lado da realidade. A cada experiência, um novo novo sorriso se rompe, naquele que é o futuro da tecnologia e do gaming. Assim sendo, trago-te mais uma grande experiência que pude desfrutar nos últimos dias: Shadow Point.

Lê Mais:  Virtual Desktop | Análise

História

Shadow Point é um videojogo Indie de puzzle, com história, produzido pela Coatsink. Este conta a história de uma rapariga que desapareceu de um Observatório durante uma visita de estudo, 12 anos atrás. Com isto, cabe a ti descobrires o paradeiro desta aluna, visitando um mundo de fantasia escondido no Observatório Shadow Point e resgatá-la.

Shadow Point
Imagem de Oculus Rift
Lê Mais:  E3 2019 | As Novidades Apresentadas Para VR

A história está muito interessante e, apesar de parecer simples à primeira vista, começa a tornar-se evidente a complexidade da situação em que estás metido. Uma das grandes surpresas é a presença narrativa de um actor famoso, Sir Patrick Stewart, cuja voz inconfundível teve de imediato a minha atenção.

Embora toda a experiência tenha durado cerca de 6 horas a completar, foi um tempo de jogo bem recheado de momentos de surpresas, alegrias e tristezas. Não te quero matar a curiosidade mas sim, o jogo tem “coração”, servido de um final feliz que não te vai desiludir.

Gameplay

Shadow Point é focado em puzzles à base de sombras, onde terás que projectar uma sombra em vários painéis. Com isto, cabe a ti puxar pela cabeça e tentar projectar a sombra correcta, utilizando materiais que vais encontrando pelo caminho.

Contudo, nem tudo se pode basear em apontar sombras, pelo que à medida que fores avançando na história, as coisas tornar-se-ão bem mais complicadas.

Shadow Point
Imagem de Oculus Rift
Lê Mais:  Job Simulator | Análise

Por exemplo, haverá alturas onde terás que passar por portais que te levam a outras perspectivas, como o telhado ou parede, lembrando um pouco Portal.

Entretanto, uma vez noutra perspectiva, a gravidade lá também muda, dando-te a oportunidade de recolher objectos com diferentes gravidades para conseguires projectar a sua sombra na posição correcta.

Isto tudo parece muito estranho não é? Não te preocupes; dá tempo ao tempo, porque ao explorares todas as peças presentes no cenário, mais vais perceber onde estas devem encaixar.

No que toca aos controlos de jogo, estes estão bem colocados e não confundem durante o jogo. Os movimentos tanto podem ser feitos através do analógico ou por método de teletransporte, utilizando o botão do comando.

Contudo, caso sejas daquelas pessoas que enjoa facilmente, sugiro que utilizes o método de teletransporte. Caso utilizes o analógico demasiado tempo, vais acabar por pôr-te à frente de uma retrete. Não queiras isso!

Apresentação e Banda Sonora

Uma das coisas que me surpreendeu neste jogo foi a sua apresentação. Não estou a falar de gráficos com texturas realistas mas sim do estilo artístico e simplista que define este videojogo.

As cores, as personagens e o mundo em si fazem deste videojogo uma obra de arte que facilmente consegue provar que nem tudo se baseia em texturas realistas.

Um dos meus medos era que os Oculus Quest não conseguissem aguentar com este jogo a nível gráfico. Mas não podia estar mais errado.

Os Oculus Quest conseguiram aguentar com este mundo e tudo o que vive nele, quase sem nenhum problema. Digo quase porque por vezes houve situações onde a taxa de frames baixou. E isso num equipamento de VR é facilmente notável, ainda que por pouco. Enfim, nada que quebre a experiência de jogo.

Shadow Point
(Imagem de apresentação)
Lê Mais:  The Wizards (Oculus Quest) | Análise

A banda sonora em Shadow Point está bem escolhida, casando bem com o estilo de videojogo que este é. O facto de não ser incomodativa durante a minha linha de pensamento é um grande ponto positivo, a meu ver.

Shadow Point está disponível na Oculus Store como compra única. Ou seja, uma vez comprado, poderás jogá-lo tanto nos Oculus Rift como nos Oculus Quest, sem teres que comprá-lo duas vezes.

Conclusão da Crítica
Fantástico!
8
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.