Encontra-se cada vez mais perto o contacto com a nova geração de consolas, e com esta, chegam os novos jogos, tal é o caso de Spider-Man: Miles Morales!

Após um lançamento extremamente bem-sucedido em 2018, o vizinho mais amigável que existe volta para salvar o dia, excepto que desta vez não é o vizinho mais conhecido, o que não é problema, pois este é igualmente capaz.

Miles Morales foi apresentado em Marvel’s Spider-Man como uma personagem jogável (enquanto civil), deixando no horizonte uma possível interacção enquanto super-herói, visto que a história (já nem falo das BD’s) não deixa margem para dúvidas que o mesmo o será. Assim sendo, temos direito ao seu próprio capítulo, fazendo tudo à sua maneira, e que bela maneira.

Spider-Man Miles Morales

Deixo já a nota que este jogo se encaixa mais no estilo de Infamous: First Light, do que uma jornada “recheada”, como foi a de Peter Parker. A campanha é relativamente curta, tendo chegado ao fim em cerca de 10 horas, isto enquanto realizava desafios secundários e subindo o nível dos gadgets (gadgets estes, que apenas ficam completamente melhorados no NG+ (New Game Plus), quase forçando este modo para “encher” o tempo).

Tem bastante conteúdo para nos entretermos depois da história, no entanto, se compararmos ao “antecessor” ou a outros jogos que saem ao mesmo PVP, não corresponde ao preço que está a ser pedido actualmente.

Tendo jogado na Playstation 4 original (500GB), notei algumas dificuldades em manter a framerate, o que não surpreende, e provavelmente será o padrão daqui para a frente, pois qualquer equipa irá preferir ter o seu produto no hardware mais poderoso da próxima geração, de forma a demonstrar por completo as capacidades do jogo, e de quem o criou.

Lê mais:  Playstation | Anunciadas alterações no sistema de troféus!

Somos então novamente apresentados a Nova Iorque, excepto que desta vez a estação do ano, tal como a época festiva, são notórios, pois neva, bastante, e também, para refrescar o visual da cidade, a Insomniac presenteou-nos com decorações de natal pelas ruas, preparando assim o espírito natalício.

O jogo começa em grande, mostrando momentos de interacção e companheirismo, revelando ao mesmo tempo o grande trunfo de Miles Morales, o poder que viram nos vídeos lançados pela Sony, chamado Venom (a não ser confundido com o famoso vilão). Venom não só traz poder puro às mãos de Miles Morales, como permite uma conjugação de combos altamente fluída pelas diversas maneiras como o podemos utilizar.

Após Peter anunciar que se vai ausentar durante uns tempos, ficamos com a cidade que nunca dorme só para nós, e assim começa esta viagem de Miles. Não entrando em grandes detalhes sobre a história, posso apenas dizer que se acharam a jornada de Peter pessoal, esta sai disparada pelo telhado, o que foi uma jogada bastante bem conseguida por parte da Insomniac.

Spider-Man Miles Morales

O que é talvez o ponto mais forte de Spider-Man: Miles Morales é a forma como um jogo que supostamente já jogámos, é reinventado ao estilo do protagonista. Miles é oriundo do Harlem, tendo uma educação e estilo de vida diferente do famoso Peter Parker. Não só a maneira como fala (tirando certas falas em espanhol, que soam forçadas e artificiais), ou se mexe pelo ar, o estilo de Miles transparece pela banda sonora ou até mesmo pela maneira como acedemos a missões, isto tudo perpetuado pela ajuda do seu melhor amigo (e programador) Ganke Lee.

As missões principais, embora poucas, são variadas, o que ajuda a refrescar a história. Deparei-me com algo que provavelmente será corrigido logo no dia, mas que não deixou de me acontecer, que foi ter de reiniciar o checkpoint 3 vezes pois ou o NPC não reconheceu as acções para a missão continuar, ou o item não diferenciou uma acção de missão para uma acção de combate, ou até mesmo não me conseguir mexer depois de interagir com um objecto. Não é um costume da Insomniac lançar jogos assim, pelo que não será preocupante, mas não deixou de me surpreender.

Lê mais:  PlayStation Plus Maio 2020 | Cities: Skylines e Farming Simulator 19

Spider-Man Miles Morales

Os gráficos são o máximo que a Playstation 4 consegue alcançar, sofrendo, como disse anteriormente, em algumas secções. Spider-Man: Miles Morales terá a sua versão definitiva na nova consola da Sony, mas esta não se fica muito atrás, oferecendo um desempenho robusto e sólido. A banda sonora é um reflexo dos gostos de Miles, e sendo um amante de hip-hop, é-me impossível não gostar do que é um trabalho de verdadeira qualidade.

Spider-Man: Miles Morales já se encontra disponível em exclusivo para a PlayStation 4 e em breve para a PlayStation 5, quando esta for lançada no dia 19 de Novembro.