A Nintendo veio fechar o ano com um dos mais aguardados títulos de sempre, Super Smash Bros. Ultimate! E como não podia deixar de ser, o vosso Nintendista de serviço, deitou as mãos a este titulo para dar a sua opinião sobre ele. Estão prontos? Aqui vamos!

Smash

Se já conhecias (ou não) a franchise, ou se já tiveste oportunidade de jogar algum dos seus títulos anteriores, dou-te já um aviso: esta é uma versão definitiva de todos os títulos Super Smash Bros. combinados num só. Querendo ser muito directo, este videojogo contém todas as personagens alguma vez lançadas em Super Smash Bros., contando ainda com estreantes desta entrada, totalizando 74 lutadores com que poderás lutar! Aqui na Squared Potato, temos vindo a dar-te a conhecer cada um deles na nossa Jornada Smash, mas espera! Há mais a caminho, em formato DLC pago, que serão revelados e distribuídos ao longo do ano que vem (2019).

O que mais me surpreende no entanto, não é o número de lutadores, mas sim a quantidade de parcerias com outras empresas que foram feitas, para que personagens como Pac-Man, Snake, Sonic e muitas outras, pudessem aparecer neste videojogo. É caso para dizer que este é um videojogo único na sua categoria de videojogo de luta! Uma grande celebração e homenagem à sua indústria.

Estas personagens não são algo que possas ver como skins, pois cada uma tem uma maneira única de combater, inspirada nos seus movimentos no jogo de origem. No início, no modo Smash contarás apenas só com alguns lutadores disponíveis, mas conforme fores jogando, terás a oportunidade de desbloquear novos. Pois estes vão surgindo de x em x tempo, sob a forma de um novo desafio. Se conseguires derrotar o lutador, adicionas-o ao teu leque de personagens jogáveis, caso contrário terás que esperar por outro desafio. Em termos de combates, para além de ser possível jogares com mais 7 jogadores (ou CPU), podes ainda criar e salvar regras de combate, como o sistema de vitórias, itens presentes, tempo limite, etc.. Isto para não falar que podes treinar e estudar tudo isto num modo que te dá toda a liberdade jogares a solo com um dummy. O modo de Treino onde o cpu não se vai manifestar contra ti.

Super Smash Bros. Ultimate

Jogabilidade

Em comparação com outros títulos, os lutadores presentes no videojogo receberam pequenos ajustes, sendo que agora todos eles estão mais rápidos, tanto no que toca ao movimento, como também na execução dos seus golpes, conseguindo acelerar mais o ritmo de jogo sem comprometer o equilíbrio do mesmo. Desta feita, o videojogo está muito mais apetecível e propicia a que novos jogadores rapidamente se adaptem a esta franquia e ingressem na sua comunidade.

Mas este videojogo não se baseia só nos seus lutadores. Pois as franquias aqui presentes trazem-nos também uma carrada de cenários de luta icónicos, provenientes dos jogos de origem dos lutadores, onde podes batalhar. Contam-se mais de 100 cenários, tanto reciclados das versões anterior de Smash, como novas adições, onde cada ringue possuí características únicas que tornam as batalhas mais dinâmicas e divertidas (ou não, dependendo da tua tolerância perante mais confusão).

Este grandioso videojogo não conhece a definição de pequeno, nem mesmo ao nível da banda sonora, pelo que podes contar com mais de 900 faixas musicais! Não estás a ler mal, são mesmo muitas! Todas elas estão divididas pelas várias franchises, correspondentes aos seus lutadores, e algumas faixas exclusivas da própria franquia de Smash. Entre essas últimas, destaca-se Lifelight o hino deste videojogo, composto por Hideki Sakamoto. Mas o melhor é que podes ainda ouvir estas músicas num leitor próprio do videojogo, que te permite ainda por a consola em pausa, enquanto as ouves. Quererá dizer que no futuro possamos ter um leitor de MP3 na nossa consola híbrida? Talvez ainda seja um pouco cedo para falar nisto…

Super Smash Bros. Ultimate

World of Light

Agora falando do que mais me surpreendeu neste videojogo, os Spirits, do modo de jogo com o mesmo nome. Estes Spirits são nada mais do que a alma de lutadores que perderam a sua forma física. Contudo os mesmos conseguem possuir o corpo dos lutadores jogáveis, tomando uma aparência meio semelhante à que originalmente tinham. Dando um exemplo, um espirito do Pokémon Gengar ao possuir o corpo de Donkey Kong, faz com que este último adquira a cor roxa idêntica ao espírito, bem como alguns dos seus movimentos adquiram características do pokémon. Até a própria luta tem uns status adaptados ao spirit que enfrentamos! Este é de facto um videojogo muito bem pensado! Tudo bem, mas agora perguntas-me para que servem as batalhas com os spirits? Bem, primeiro tens de perceber que existem duas categorias de espíritos: os primários e o secundários. Os primários, adicionam ao jogo uma mecânica de pedra, papel, tesoura: (grab, defesa, ataque) com que te deparas a cada novo desafio no modo de aventura em World of Light.

Estes, permitem-te também equipar entre 1 a 3 slots de espíritos secundários. Cada Spirit secundário tem a capacidade de ser equipado ao primário, sendo que todos concedem ao lutador alguns efeitos que o beneficiam em batalha. Alguns podem dar aumento de poder, outros dão imunidade a certos efeitos negativos, e outros ainda conseguem dar-te itens logo no começo das batalhas. Além disto, estes Spirits podem ainda ser treinados, com o tradicional sistema de níveis. Alguns até podem evoluir para algo ainda mais forte, ou até podem mesmo serem sacrificados para dar origem a outros. Existem mais de 1000 Spirits diferentes e para os ganhares terás que derrotá-los em batalha. Vendo isto de uma certa forma, é como se houvessem mais de 1000 desafios diferentes para conseguires superar!

Existe ainda um modo de história inteiramente dedicado aos Spirits, chamado de World Of Light, que já mencionei. Neste modo, começas apenas com Kirby, com o objectivo de explorar um mapa gigante, enquanto derrotas vários Spirits e resgatas mais lutadores para a tua equipa. Mas isto chega a ser mais interessante, pois em alguns casos não conseguirás passar por certos caminhos sem que possuas Spirits específicos, como por exemplo o Bomberman, que é necessário para conseguires rebentar com as rochas a bloquear o caminho. Outros casos envolvem equipares certos Spirits com efeitos que te ajudam a lutar em certos cenários de batalha, que tanto poderão estar com o piso em chamas ou com um vento impossível de resistir. Podes ainda contar com Dojos, que te permitem fazer diversas alterações aos teus Spirits como dar mais poder a eles ou até mesmo remover skills que não queiras. Isto e muito mais fez deste modo um verdadeiro vicio quase sem fim, no qual me meti sem dar-me conta, até já ser tarde.

Super Smash Bros. Ultimate

Outros Modos

Sim, para além de tudo isto de que já te falei, ainda há mais! Desde um modo específico onde poderás organizar torneios com 32 jogadores, até um modo onde podes jogar com os teus amigos em equipas ao estilo tag team, ou ainda um modo smashdown onde terão de percorrer toda a lista de personagens em sucessivos combates de eliminação de lutadores. Com isto tudo, claro que os fãs mais veteranos se devem estar a perguntar sobre o modo Classic Smash, e claro, o mesmo também aqui tinha de estar presente! Neste, o jogador escolhe uma das suas personagens jogáveis e aventura-se numa jornada de combates sucessivos com personagens da franquia do seu lutador. No fim, terás de defrontar o típico  boss da franquia.

Para além disto, ainda é de se referir o modo online, sendo que este permite-te aventurar com (apenas) um amigo em tag team numa jornada global. Para além de poderes defrontar oponentes de todos os cantos do mundo, neste modo poderás também assistir a combates de outros jogadores em tempo real. Devo dizer que não tive grandes quebras na internet ao longo da minha experiência neste modo, contudo ainda apanhei um jogador que estava a ter alguns problemas de ligação, e como podes adivinhar, foi um combate para esquecer… Contudo se quiseres jogar apenas com amigos, que estão a quilômetros de distância de ti, tal também é possível aqui.

Super Smash Bros. Ultimate

Visual

Super Smash Bros. Ultimate surpreende com todo o respeito que consegue transmitir-nos por todas estas franquias e mantê-las unidas numa só tela. Um dos melhores exemplos disto mesmo, para além do que já falei do world of light (a nível dos desafios serem profundamente inspirados pelas características das personagens que enfrentamos), é também a forma como os seus cenários conseguem transpirar as suas origens. Para além desses, as suas personagens conseguem também reflectir não só um visual que respeita os gráficos da época numa pequena e subtil modernização dos mesmos, mas também as suas animações se encontram ao ritmo da sua época de origem. É fascinante testemunhar como com tudo isto conseguiram ainda assim equilibrar os lutadores para manter uma competição sempre justa.

Conclusão da Análise
Brutal!
9.5
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.