Ouvir música é algo que todos nós gostamos. E como tudo nesta vida, o mundo dos videojogos sempre tiveram um papel importante no mundo da música. De certeza que já ouviste falar de Just Dance, Guitar Hero ou até Beat Saber. Estes são alguns exemplos que mudaram por completo a maneira como apreciamos a música ao mesmo tempo que a tornamos num videojogo. Contudo, hoje trago-te a análise a Synth Riders, um jogo que promete dar música aos teus ouvidos, fazer-te suar e por-te a mexer!

Lê mais:  Space Pirate Trainer | Análise

Uma nova experiência!

Synth Riders é um videojogo de ritmo, em realidade virtual, que te coloca num ambiente pseudo-futuristico, e cujo seu objectivo é muito simples: tocar nas esferas da cor certa (azul e vermelha), ao ritmo da música. Confesso que ao início a ideia não me pareceu lá muito interessante, pois talvez isso se devesse ao nível baixo, em que andava a jogar. Parecia tudo meio monótono e demasiado calmo. Contudo, assim que mudei para o modo hard, tudo mudou! Parecia realmente que estava a dançar feito louco, e até desviar-me dos obstáculos tornou-se em algo bastante desafiante para as minhas pernas. Sem dúvida foi uma experiência bastante divertida.

Lê mais:  Vader Imortal: Uma Série da Guerra das Estrelas Em RV - Episódio 1 | Análise

Ao contrário de Beat Saber, aqui não tens que te preocupar com as direcções das esferas, apenas basta tocar nelas. No entanto aqui existem duas outras mecânicas bem distintas. Uma delas são as esferas amarelas, que necessitam que unas as tuas mãos para que possas pontuar ao lhes tocar. Já as esferas verdes devem ser tocadas apenas por uma das tuas mãos (à tua escolha) até que estas desapareçam.

Sobre isto tudo, estão 3 modos de jogo: Normal, Force e Challenge. Em cada um, é necessário obedecer a determinados critérios, que decidirão o número de pontos que recebes em cada nível. Por exemplo, no modo Force, és obrigado a mexer-te e a acertar nas esferas com precisão, de forma a receberes mais pontos. Se fores pessoa que só liga à experiência de jogo, estes modos não te vão fazer diferença. Mas caso queiras deixar o teu nome no topo da tabela de pontuações globais, então é nos modos mais complicados que deves competir. E falando em competir, os desenvolvedores prometem um modo multi-jogador no futuro!

Além disto podes contar ainda com modificadores (modifiers). Estes permitem-te alterar algumas coisas no jogo, como desativar luzes dinâmicas, retirar obstáculos ou até mesmo desativar o “gameover”.

Muita música e muito suor atrás!

Synth Riders trás consigo 31 músicas que podes logo começar a jogar, sem sistemas de desbloqueio de progresso.

Podes contar com um estilo desde Electro-rock até Metal, Pop, bem… não sou propriamente a melhor pessoa para etiquetar géneros musicais, mas sei pelo menos que consegui gostar de algumas delas.

 

Lê mais:  E3 2019 | As Novidades Apresentadas Para VR

Para espanto meu, os developers lançaram um Beatmap Editor open source que permite à comunidade criar novos níveis com as músicas que tanto gostam. Algo que tem causado muita controvérsia para os lados do jogo Beat Saber. Espero que não seja contagioso.

Se houve algo que marcou a minha experiência foi a maneira como estas músicas conseguiram por-me completamente exausto, quase como se tivesse feito uma mini sessão de ginástica e dança. Consigo lembrar-me perfeitamente de algumas das músicas que me fizeram suar até não conseguir ver mais o jogo à frente. E no dia seguinte, nem quero falar disso… Se procuras algo para te pores a mexer, este jogo é ideal para ti.

Últimas palavras e onde podes encontrar este jogo

Synth Riders é um jogo bastante interessante com algumas características que me fazem recordar o Beat Saber. Contudo a sua apresentação gráfica ainda fica aquém, pelo menos na versão dos Oculus Quest. Mas isso não deixou de garantir uma experiência bastante divertida, pelo que também acredito que com o tempo hajam bastantes melhorias, tornando este jogo mais belo.

Este grande jogo já se encontra disponível nas plataformas Steam VR, Vive Port e Oculus, sendo agora jogável nos Oculus Quest.

Conclusão da Crítica
Curtido!
7.5
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.