A região de Galar cresceu com The Isle of Armor, a primeira expansão de Pokémon Sword e Pokémon Shield. Mais Pokémon, mais Wild Areas e mais desafios, tal como anunciado ao longo da promoção da expansão. No entanto, como é que é de facto a experiência de jogo no DLC The Isle of Armor?

Em primeiro lugar, é importante referir que, apesar das suas notórias falhas, do ponto de vista de conteúdo, Pokémon Sword & Shield é um dos jogos mais ricos da série, uma vantagem que cabe, contudo, a cada jogador explorar à sua maneira e ao seu ritmo. Se há quem esgote a aventura em linha recta e em poucas horas, há, por outro lado, quem invista bastante tempo na exploração de ambientes e na evolução de Pokémon.

Com The Isle of Armor, a experiência em qualquer um dos casos é enriquecida. A expansão acrescenta a Pokémon Sword & Shield novos Pokémon de diferentes regiões, um complemento narrativo, personalizações e mais áreas para explorar.

A chegada a The Isle of Armor

Não é necessário completar a aventura central de Pokémon Sword & Shield para embarcar na (curta) aventura de The Isle of Armor. Aliás, há uma claro intervalo em termos de dificuldade entre jogadores que terminaram a jornada em Galar e jogadores que ainda não a completaram. Assim que aterram na ilha de Armor – à qual podem chegar através da estação de comboio de Hammerlocke – um vasto cenário quase tropical enche-vos a tela e cria o ambiente tranquilo e misterioso que servirá de base para este pequeno fragmento de aventura.

O primeiro instinto é explorar a ilha, claro. Apesar de aparentemente repetitivo, o cenário esconde detalhes e tesouros que vais querer encontrar. Muitos Pokémon escondem-se em lagos, em pequenas poças e na vegetação e, nesse aspecto, há de facto um bom investimento a fazer em termos de exploração e descoberta. Infelizmente, esta componente resume-se a ser apenas isto: Campo e mar para percorrer e Pokémon para capturar. Acaba, no entanto, por ser um pouco aborrecido circular em voltas e pelos mesmos caminhos em busca de novos Pokémon ou de objectos que possam estar escondidos pelo mapa.

The Isle of Armor

Treinos e Combates

O eixo central de The Isle of Armor passa pelo Dojo de Mustard, de onde partirá a aventura na ilha. No Dojo poderás conhecer as novas personagens deste DLC, nomeadamente Mustard, Honey e Avery ou Klara, dependendo da versão que estás a jogar. No Dojo, receberás Kubfu e três missões que deverás completar antes do desafio final, as Towers of Two Fists. Estas missões, apesar de simples e ligeiramente aborrecidas, consistem em pequenos passos bem pensados para que possas explorar Armor e as dinâmicas essenciais. As duas primeiras tarefas levam-te a conhecer o cenário na busca de determinados itens, e a terceira e última tarefa leva-te a estabelecer relação com Kubfu, adquirindo assim a hipótese de caminhar com o teu Pokémon preferido.

Missões concluídas, escolherás uma de duas torres para combater: a Tower of Waters ou a Tower of Darkness, que me lembram inevitavelmente a Sprout Tower de Johto. Cada torre é temática e definirá o tipo de adversários que encontras e a evolução do teu Kubfu no final do desafio. Lá encontrarás cinco adversários, um por piso e cada qual com o seu Pokémon, para confrontos bastante simples e fáceis de superar. Terminados os combates, o teu Kubfu evoluirá para Urshifu – que te recomendo a guardar na equipa, porque é de facto um óptimo Pokémon para combater.

The Isle of Armor

Tarefas, Desafios e Evoluções

Antes ou depois de superares o desafio de The Isle of Armor, existem pequenas missões que te podes propor completar na ilha. A primeira é, obviamente, completar a Pokédex especial da ilha de Armor. Qualquer treinador de Pokémon gosta de ter uma equipa forte, um saco cheio de suplementos e uma Pokédex bem completa. E por falar em suplementos, existem por Armor bastantes árvores de bagas, portanto assegura-te que consegues recolher o maior número possível de bagas raras, para usar em acampamentos.

Como há sempre um desafio destes, The Isle of Armor não podia ficar de fora: Encontrar uma imensidão de Diglett espalhados pela ilha! Uma missão que podes ir completando calmamente, mas que te poderá deixar de cabelos em pé, porque é apenas isso que os Diglett tem de fora: os cabelos. Se te dedicares exclusivamente a esta missão, podes acabar por enlouquecer, por isso aconselho-te a completá-la aos poucos. É que pode tornar-se… cansativa.

The Isle of Armor

Apesar de todos os novos Pokémon que se juntam à Pokédex, tenho de dar um pequeno destaque a Galarian Slowbro, possivelmente a evolução mais marcante de The Isle of Armor, a par de Urshifu. Na praia, podes encontrar bastantes Galarian Slowpokes, mas estes podem ser fraquíssimos em combate, revelando-se quase inúteis no momento de defrontar um adversário. O oposto acontece com Galarian Slowbro, que pode tornar-se um dos Pokémon mais fortes da tua equipa. No entanto, para o conseguires, ao contrário do Slowpoke regular, não basta treiná-lo para que suba de nível.

Pela ilha, junto às árvores mais altas (não as árvores de bagas), poderás encontrar Galarica Twigs. Deverás coleccionar oito destas e levá-las a uma NPC que se encontra num ilhéu de Workout Sea. A NPC irá trocar as Galarica Twigs por uma Galarica Cuff, que poderás então utilizar para evoluir o teu Galarian Slowpoke. É uma tarefa morosa, mas acredita que compensa.

The Isle of Armor

Experiência de Jogo

Resumindo de forma breve, The Isle of Armor está longe de ser a expansão perfeita; até porque é completada pela The Crown Tundra, com lançamento previsto para Novembro deste ano. Apesar de se revelar como um claro avanço em termos de conteúdo, este DLC descura uma série de pontos que se querem fundamentais no momento da implementação de novas componentes. Acredito que estamos mal habituados e bastante viciados em indicadores de direcção e pontos de referência, mas explorar a ilha sem qualquer referência ou indicação pode tornar-se complicado e inicialmente frustrante. Por outro lado, a posição da personagem no mapa nem sempre é precisa ou nem sempre corresponde à localização efectiva da personagem no cenário, o que complica um pouco mais as coisas.

Gostei bastante do facto de podermos caminhar na companhia do nosso Pokémon, uma funcionalidade que surge no decorrer da missão de bonding entre treinador(a) e Kubfu. Ainda assim, é um bónus exclusivo da ilha de Armor. Por outro lado, esta funcionalidade em Pokémon Sword & Shield está muito aquém do que foi em Pokémon Let’s Go Eevee e Pokémon Let’s Go Pikachu. Para que um Pokémon saia da Poké Bola, terás de o ter no início da equipa; e não podemos dizer que caminhe propriamente a teu lado, porque o mais provável é teres de esperar, para que se possam encontrar após qualquer deslocação.

The Isle of Armor trouxe novidades em termos de formas Gigantamax e novos Raids para capturar Pokémon e conseguir itens raros e ataques especiais. Este ponto positivo entra em colisão com o que escrevi no início deste tópico, uma vez que, se procurares Max Raid Battles para combater, podes vê-las no cenário, mas nem sempre será fácil encontrá-las.

Se eventualmente te cansares da ilha, podes sempre regressar a Hammerlocke ou a qualquer outra cidade, utilizando a deslocação rápida através do mapa. O mesmo funciona para quando quiseres regressar à ilha. E não te esqueças que podes treinar e criar em qualquer local Pokémon capturados na ilha de Armor, uma vantagem para quem pretende personalizar a equipa antes de prosseguir a aventura.

The Isle of Armor, lançada a 17 de Junho, é a primeira parte do Expansion Pass de Pokémon Sword & Shield, exclusivo Nintendo Switch. The Crown Tundra, incluída na compra do Expansion Pass, tem lançamento previsto para dia 31 de Outubro deste ano.

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.