No século passado, não tínhamos o acesso ao volume de informação que hoje em dia temos com canais de streaming de vídeo, redes sociais e outros, onde tudo nos chega de forma instantânea à palma das nossas mãos. Eu que na altura não tinha acesso a qualquer tipo de Internet, todas as noticias de videojogos que me chegavam eram na forma de revistas, ou até mesmo em demonstrações que vinham em disquetes ou cd-roms. Foi assim que conheci muitos dos videojogos da minha infância, sendo um deles o jogo de computador Theme Hospital.

Este jogo destacou-se do resto da concorrência pelo seu aspecto animado, pelo seu humor negro, e o mais importante, porque era mesmo muito divertido. A demo em si era minúscula, pelo que apenas podíamos jogar um breve bocado de um dos níveis que a versão completa detinha. Esta pequena amostra, também nos brindava com um vídeo a mostrar níveis mais avançados, onde dava para ver tudo a funcionar com todos os componentes mais aliciantes, o que só me dava vontade de comprar uma cópia para mim. Mas este é um daqueles videojogos que nunca encontrei há venda nas lojas, portanto na altura não consegui adquirir este videojogo… Felizmente Theme Hospital era conhecido, até por aqueles que nem ligavam assim muito a jogos de computador, e então mais tarde consegui arranjar uma cópia emprestada.

O videojogo foi produzido pela Bullfrog Produtions. O estúdio popularizou os chamados sub-géneros dos videojogos de simulação, os God Games. O primeiro deste género foi a bem conhecida série Populous, onde controlávamos e desenvolvíamos uma civilização, com o objectivo de destruir as populações rivais em níveis sequenciais. Outros títulos notáveis são Theme Park e Dungeon Keeper, por exemplo.

O meu grande favorito é realmente este, Theme Hospital. O videojogo coloca-nos no papel de um director de um grupo de hospitais, onde temos de gerir vários recintos ao longo de toda a campanha de single player. Em cada nível, é nos dado um edifício completamente vazio, e temos de gerir vários componentes de construção, mobília, empregados, finanças, novos terrenos, entre outros. Para avançar para o nível seguinte, temos de cumprir um objectivo fixo, à volta da popularidade do nosso hospital, doentes curados e fundos disponíveis.

Theme Hospital Odisseia de Um Bit

Existem vários componentes envolvidos no funcionamento do hospital que temos de gerir, mas o mais importante, como é óbvio, são os pacientes. Eles têm as doenças mais estranhas e hilariantes de sempre. Cabeças gigantes, invisibilidade, com a ideia que são o rei do Rock & Roll, ou então têm simplesmente demasiado pêlo no corpo.

O percurso destes dentro do nosso recinto é sempre o seguinte: Recepção, Prática Geral, Diagnóstico e Tratamento. Pelo que o nosso estabelecimento deve ser construído para facilitar as suas viagens de sala em sala, de forma a atendermos todas as pessoas atempadamente, e mantermos os doentes confortáveis. Para este efeito, temos de assegurar que os corredores têm cadeiras suficientes, máquinas de bebidas, aquecimento, casas de banho, etc… Para assegurar o tratamento em si, convém ter várias salas com todos os diferentes equipamentos de diagnóstico que podemos construir para aumentar a taxa de sucesso da cura (e ajuda a cravar umas boas massas ao pessoal, a qualidade não sai barata!).

Se não satisfazermos estas condições, corremos o risco de um paciente ir para casa insatisfeito, diminuindo a nossa reputação, ou pior, de recebermos uma visita da morte. E com isso quero dizer, literalmente uma visita da morte! Ela abre um buraco no chão e plof! Isso ou então vão com os anjinhos (e digo outra vez, literalmente…)

Mas quando está tudo em ordem e bem direccionado, tal e qual outros videojogos de “gestão”, dá prazer ver tudo a funcionar lindamente. Scans futuristas, cápsulas espaciais que só servem para tirar sangue, e equipamento para arrebentar com cabeças! (Que são novamente reenchidas com a pressão certa claro…)

Theme Hospital Odisseia de Um Bit

Mas não nos podemos esquecer do staff, afinal são eles que metem o hospital a funcionar não é verdade? Existem quatro tipos dos mesmos para contratarmos: os médicos, as enfermeiras, os biscateiros e as recepcionistas. Os médicos são a unidade mais complexa de Theme Hospital e a que opera a maior parte das salas do hospital, tendo ainda especializações especificas como “cirurgião”, “psiquiatra”, e “investigador”, que são obrigatórias ter para operar salas especificas como a de operações, etc… A partir de certo nível podes construir uma sala para aulas de formação, o que ajuda a desenvolver estas características se assim o achares necessário.

As enfermeiras são uma espécie de “doutor-lite” mais simples para salas especificas como as farmácias e os quartos para os pacientes. Os biscateiros tratam das limpezas, regam as plantas e fazem a manutenção do equipamento. Devido ao número elevado de tarefas é normal termos o mesmo número desta unidade que os médicos. As recepcionistas são as personagens mais estáticas estando sempre presentes na mesa de recepção, mas são necessárias para orientar os pacientes, portanto convém ter alguém competente nesta posição.

E claro, convém também manter esta malta contente. Assegurar que o espaço de trabalho é agradável, que existem salas para descansar suficientes, com grande número de comodidades disponíveis, que o tempo de trabalho não é excessivo, etc… Quantos mais pensamentos felizes metermos na cabecinha deles, menos espaço têm para pensar em aumentos.

Lê mais:  Boavista Futebol Clube | Inscrições Gratuitas para a Academia de Esports

Temos também a parte de investigação onde os médicos especializados nesta área desbloqueiam novos equipamentos, desenvolvem tratamentos mais eficientes, e estudam como é que se curam as novas doenças. É possível apressar estes processos, convidando um dos pacientes a fazer uma “autópsia surpresa”, por alguma razão este procedimento reduz a reputação do nosso hospital… Estranho não é?

Com opções extra de gestão financeira, como empréstimos e a definição de preços individuais, em combinação a tudo referido acima, o que é mesmo porreiro é no último nível fazer um hospital perfeito, onde só temos profissionais de excelência e os tempos de espera são praticamente inexistentes. E isto tudo, com tratamento garantido da melhor qualidade e a um preço super reduzido. E mesmo assim, atendendo um volume enorme de doentes na nossa instituição de sonho. Afinal foi o que eu fiz…

Mas agora pensado melhor… Consigo engolir coisas como aliens mutantes e “radiação” verde, mas algo assim é demasiado irrealista para mim. Ugh, isto corta com a imersão que é uma coisa doida. Bem, nenhum videojogo pode ser perfeito afinal…

Podes adquirir Theme Hospital no GOG ou no Origin. Revive esta experiência!


Também tens memórias felizes a jogar Theme Hospital? Qual é o teu God Game favorito?

Deixa uma resposta

Por favor deixa aqui o teu comentário
Por favor deixa aqui o teu nome

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.