A primeira coisa que me veio à mente quando comecei este jogo, foi uma ligeira sensação de nostálgica, um je ne sais quoi qualquer que me intrigou.

Lê mais:  Mortal Kombat 11 | Johnny Cage De Regresso Aos Ringues
Tive de pesquisar (porque não só de jogos vive um gamer) e descobri que apesar de ser desenvolvido pela Playtonic Games, Yooka Layle foi desenhado pela mesma equipa da Rare que nos anos 90 trabalhou em Banjo-Kazooi para a Nintendo 64.
Podemos dizer que este é o segundo jogo desta dupla, só que desta vez passaram de um jogo 3D para um jogo de plataformas 2D. Não tendo jogado o anterior, não posso dizer se foi ou não uma boa decisão.

História

No tutorial é nos introduzida a trama. O vilão Capital B. anda a fazer das suas, e cabe à nossa dupla de heróis o travar. Para o fazer teremos de resgatar as abelhas da Rainha Phobee, que no Impossible Lair formam um escudo que permite receber dano em vez das personagens. Isto claro “sacrificando” as abelhas do escudo, portanto quantas mais abelhas resgatares, mais ataques podes levar.
Apesar de ser último o nível, o Impossible Lair está disponível desde o início do jogo,v contudo vais que este tem um bom grau de dificuldade e que é aconselhável explorar o mundo primeiro.
Yooka Laylee and the Impossible Lair

Lê mais:  New Super Mario Bros. U Deluxe | Análise

Um mundo que evolui contigo

Para além dos níveis estarem espalhados pelo mundo, estes também têm muitos puzzles, que por vezes até alteram o próprio mundo e mesmo os próprios níveis. Exemplo disso é um nível que se encontra dentro de uma poça de agua. Após o vencermos somos ensinados a congelar essa água o que provoca uma grande alteração no nível. Como este exemplo há muitos, só é preciso é descobrir como fazer as alterações.

Arte

Com gráficos agradáveis ao olhar e uma banda sonora calma e fluída que se encaixa bem no jogo. Notasse nestes aspectos uma tentativa de renovar ou de trazer de volta os jogos de plataforma, algo que está em decaimento nas actuais gerações.