Marvel | Introduz Aaron Fischer, o primeiro Capitão América gay

A Marvel anda cheia de surpresas e, recentemente, a empresa veio a desvendar que vai criar o primeiro Capitão América gay.

Tudo começa quando Steve Rogers faz uma viagem pelos Estados Unidos à procura de antigos Capitães América que possam ser seus aliados, depois do seu escudo ter sido roubado. Estes incluem Buky Barnes, Sam Wilson e John Walker. Nesta viagem, conhece também o adolescente Aaron Fischer, que veste a pele do super-herói para defender a sua comunidade.

Esta será a premissa da nova serialização The United States of Captain America, que ficará disponível ao público no dia 2 de Junho deste ano. Esta será escrita por Christopher Cantwell, e desenhada por Dale Eaglesham.

O lançamento da mesma não só celebra o 80.º aniversário do Capitão América como coincide com o Pride Month (mês de celebração da identidade LGBTQ+) nos Estados Unidos.

Marvel Comics has unveiled its very first gay Captain America. The character, named Aaron Fischer, will feature in The United States of Captain America - a new comic book series set for release on June 2

Fischer tem um estilo muito próprio, com um corte de cabelo moderno, uma tatuagem da bandeira americana no braço direito e vários piercings.

“Aaron é inspirado em heróis da comunidade queer: activistas, líderes, e pessoas comuns que lutam por uma vida melhor,” desvendou o escritor da primeira issue, Josh Trujillo, “Ele defende os oprimidos e os esquecidos. Espero que a sua história ressoe com os leitores e ajude a inspirar a nova geração de heróis.”

“Quero agradecer muito à editora Alanna Smith e ao Joshua Trujillo por me terem pedido para criar o Aaron. Gostei muito de fazer o seu design e sendo uma pessoa transgender, fiquei feliz por poder presentear uma pessoa abertamente gay que admira o Capitão América e luta contra o mal para ajudar aqueles que são quase invisíveis na sociedade,” adicionou Jan Bazaldua, a artista por detrás do conceito da personagem, “Enquanto o desenhava, pensei, bem, o Capitão luta contra seres super-poderosos e salva o mundo quase sempre, mas o Aaron ajuda aqueles que caminham sozinhos na rua com problemas que têm de enfrentar todos os dias.”

Aaron Fischer is an activist who is \'inspired by heroes of the queer community\'. According to writer\u00A0Joshua Trujillo, Fischer \'stands for the oppressed and the forgotten\'

Os restantes Capitães América serão apresentados nas issues seguintes.

Lê mais:  WandaVision | Análise

Apesar de não parecer, nos dias que correm, este é um grande passo para a aceitação da comunidade LGBTQ+ no mundo da banda desenhada. De facto, a Marvel tinha mesmo uma política de “Proibidos Gays no Universo Marvel” nos anos 80, que mais tarde veio a dar lugar a uma etiqueta “Só Para Adultos” nas serializações que incluíssem personagens LGBTQ+. Isto em resposta aos protestos de vários conservadores, que não queriam esse tipo de conteúdo divulgado abertamente, especialmente a menores.

O primeiro personagem gay da Marvel foi Northstar, da Alpha Flight, criado por John Byrne em 1979 – no entanto, a sua sexualidade só foi revelada em 1992.

Muitos outros se seguiram. Hoje em dia podemos contar com Hulkling e Wiccan de Young Avengers (revelados como um casal em 2010), Northstar (que casou com o seu parceiro de longa data num casamento do mesmo sexo em 2002) e Iceman (um dos X-Men originais criados por Stan Lee e Jack Kirby em 1963 que também revelou ser gay).

As bandas desenhadas de Thor também incluem uma personagem feminina transgender chamada Sera, que descende de um grupo de anjos masculinos, antes de assumir a identidade feminina. A Marvel já tinha feito uma chamada de casting a mulheres transgender, entre os 20 e os 30 anos, de qualquer etnia, para o novo filme do deus Nórdico, Love and Thunder – pelo que é quase certo que Sera seja a personagem que irão incluir.

Lê mais:  Os Novos Mutantes | Fica a conhecer os protagonistas antes da estreia


E tu, o que achaste desta novidade? Qual o teu personagem LGBTQ+ preferido da Marvel?