Potato, estás pronta para dares a tua vida em troca pela verdade? Se sim, prossegue com esta análise por tua conta e risco, pois estás prestes a entrar num labirinto de mistérios que deixam o coração de qualquer detetive aos pulos!

Desenvolvido pela Spike Chunsoft e pela Too Kyo Games em exclusivo para a Nintendo Switch, em Master Detective Archives: Rain Code assistimos ao berço de uma nova e apaixonante franquia que tocará qualquer fã de investigação criminal bem como do supernatural! Ainda para mais estamos a falar dos mesmos criadores e desenvolvedores de Danganronpa, que é só uma das mais deliciosas e convidativas franquias a misturar tudo isto. 

Amante destes jogos psicológicos de investigação, mistérios, puzzles e de tudo mais, devo dizer que desde o primeiro momento em que vi o anúncio deste jogo, já tinha feito a reserva desta análise. Só pelo trailer o jogo já me parecia fabuloso em bom rigor, com um conceito e estilo visual muito semelhante ao de Danganronpa, com personagens anime em 3D bem trabalhadas.

Contudo, entre esse anúncio e a dita chegada de Master Detective Archives: Rain Code, muito como o nosso protagonista Yuma, esqueci-me completamente da existência do mesmo. O que até foi bom para equilibrar as expectativas, já que quando liguei a consola foi mesmo às escuras que apanhei este comboio.

Ressalvo a felicidade que foi andar nesta montanha russa de emoções, desde os primeiros minutos até ao último, uma pura felicidade de me deixar de lágrimas nos olhos como já não sentia há anos!

Tentando digerir e me expressar de forma clara o quão brilhante é este jogo, digo que desde o início ao fim, é estupendo em storytelling, no humor com referências geeks, na arte, na animação, na sonoridade… Genial! Master Detective Archives marca-me como nenhum outro marcou em todos estes anos de análises, pelo que até me deixei caprichar para extender a experiência de jogo até completá-lo a 100%.

Acho mesmo que, em boa verdade, nunca tive uma surpresa tão boa desde… Nem sei, da era da PS2?! Diretamente para o meu TOP 5 pessoal de videojogos, e ainda debatendo entrada para o TOP 3, caras potatos, vocês não acreditam mas eu estava em LÁGRIMAS a jogar o Capítulo 0, o primeiro de seis capítulos desta aventura. Lembro-me de dizer para mim mesma “Este é o jogo que eu sempre quis jogar! Espero que seja longo.

Nem sempre quando pego num jogo para análise, dou por mim a desejar que o jogo seja longo… O que geralmente já me diz qualquer coisa sobre a experiência do jogador em si. Mas, no caso de Master Detective Archives, este Rain Code é mesmo um “chef’s kiss“.

Sabendo vocês o quão fã fiquei deste título, já saberão também certamente que estarei na primeira fila a apoiar a continuação da franquia com mais mistérios e personagens inesquecíveis.

Lê mais:  Alphadia I e Alphadia II | Análise

Começando por vos explicar o enquadramento em que nos situamos, sem de todo entrar em detalhes que possam estragar qualquer experiência de jogo: imaginem o mundo de My Hero Academia, onde cada herói é aqui um detective numa longa e rankeada organização de detectives apelidada de World Detective Organization (WDO).

Nesta analogia, em vez de quirks, temos os nossos fortes, habilidades especiais que nos ajudam nas investigações que fazemos e que diferem de indivíduo para indivíduo. 

Yuma, o protagonista, sofre de amnésia, o que ajuda o jogador a integrar-se e a identificar-se com a personagem que tal como ele está aos poucos a descobrir o mundo e o que se passa ao redor da sua identidade. Nisto, aterrarmos em Kanai Ward, uma cidade envolta nos maiores mistérios da humanidade que teremos todo o prazer de desvendar, fio por fio, todas as ligações que nos levam à verdade.

Mas Yuma não estará sozinho, rodeado de um leque de personagens inesquecíveis, temos certamente de reservar um lugar especial para Shinigami. Esta é tão trapalhona, quanto uma daquelas personagens que cresce dentro de nós e acabamos por nutrir carinho indescritível. É fantástico vê-lá também a desenvolver-se na sua relação com Yuma e todos os demais personagens. 

Provavelmente não estarás nada à espera das facadas e surpresas que vais levar ao longo deste enredo, que não só enfiam a faca como também estrebucham ali um pouco para ver se sai mais qualquer coisa das tuas entranhas, mas é por isto mesmo que é tão brilhante o peso emocional desta estória!

Enquanto exploras os mistérios de Kanai Ward e da Amaterasu Corporation, atenta a cada detalhe com que te cruzas.  Aproveita ao máximo para recolheres as Solution Keys, pedaços de informação que te serão úteis para juntares todas as peças do puzzle e descobrires a verdade. Esta última é revelada por sua vez através de Mystery Labyrinths, onde navegas ao sabor das tuas deduções. Aqui irás deparar-te com questões que desbloqueiam qualquer nó que te impeça de chegar à verdade, bem como defrontarás inimigos através de um sistema de combate argumentativo.

Já que mencionámos o sistema de combate, devo dizer também que achei este o sistema ideal para o jogo do género. Aqui és confrontado com os argumentos dos inimigos que flutuam na tua direção e dos quais deves-te esquivar para não levares dano. Alguns destes, são uma contradição a Solution Keys que já possuis, pelo tens de estar atento para cortares esses argumentos usando as evidências que já reuniste. Só assim conseguirás atingir o teu adversário e fazê-lo sofrer.

No fulcro de qualquer Mystery Labyrinth está sempre as três questões principais da praxe: quem, como e porquê. Com um percurso e puzzles adaptados à temática do caso para te ajudar a chegares à conclusão. Apesar de parecer algo simples no papel, devo dizer que a dificuldade destes “níveis especiais” não desilude. Digo isto porque não és tratado nem como um iniciante que acaba de começar a resolver o caso, bem como um veterano que dá passos maiores que a perna. Ao invés, estás lá lado a lado com Yuma a chegar à verdade.

Lê mais:  Princess Peach: Showtime! | Recebe novo trailer

Fora dos Mystery Labyrinths, passeia pelas diversas regiões de Kanai Ward, uma cidade onde chove incessantemente e onde sentes um cheiro húmido a novos mistérios ao dobrar de cada esquina. Dominada pela gigante tecnológica Amaterasu Corporation, há uma notável diferença social entre cada zona da cidade, que se intensifica com a presença das forças especiais da companhia, dona e empregadora de toda a população. Kanai Ward vive isolada de todo o mundo, com regras e soberania sem escrúpulos a mando de personagens que entram em choque constantemente e representam o topo da cadeia.

Atentando ao visuais, gostaria de dizer que apesar de belos, eu preferia ter muitos mais momentos cinematográficos, onde a qualidade artística eleva para qualquer coisa que não me importaria de ver numa série televisiva. Tão polidos e característicos são os seus traços e estilo que é uma pena usarem maioritariamente o motor de jogo para desenrolar certas cenas importantes. Gostaria mesmo que no próximo título apostassem em mais cinemáticas, em especial porque no que toca a diálogos, ficamos a olhar para bocas a abrir e a fechar sem ouvirmos quaisquer palavras.

Por falar em diálogos, geralmente sou das primeiras pessoas a queixar-se sobretudo dos diálogos de texto extensos nos videojogos, mas aqui não só não é o caso, como temos a opção de ativar a passagem automática dos diálogos, de forma a que não tenhas de premir o A sempre que uma personagem diz a sua fala. O que é lindo porque sendo que a maior parte das falas vem acompanhada por dobragem, podes ouvir as conversas sem paragens.

Qualquer coisa que não tenhas apanhado, tens também um menu para leres os diálogos anteriores como vem a aparecer em jogos mais recentes como Pikmin 4, que acho uma acessibilidade bem vinda!

Falando agora de uma parte que ficou abaixo do desejado, a componente RPG Master Detective Archives: Rain Code da àrvore de skills que tens de desbloquear, não tem absolutamente nada que se almejar. Ou seja, todas as habilidades que podes desbloquear com Detective Points que ganhas a investigar, são totalmente dispensáveis assim como o sistema de level up, dado que essas habilidades tornam o jogo mais fácil do que seria de desejar.

Esta parte é mesmo algo que ambos os estúdios têm de revisitar e redesenhar do zero, sendo que deixo a sugestão de influenciarem os forte através dessa árvore de skills.

Master Detective Archives: Rain Code já se encontra disponível para a Nintendo Switch.

CONCLUSÃO
Inesquecível!
9.5
Joana Sousa
Apaixonada pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou-me pelo caminho da Pós-Produção, do Marketing e da organização de Eventos de cultura pop, mas o meu tempo livre, dedico-o a ti e à Squared Potato.
master-detective-archives-rain-code-analiseMaster Detective Archives: Rain Code é tudo aquilo que alguma vez sonhei que um jogo de investigação e deduções pudesse ser! Inesquecível, fico ansiosamente a aguardar continuação, sendo apenas de apontar a necessidade de refinar a componente RPG desta fórmula que tem tudo para um sucesso brilhante!