A quase 1 ano desde o lançamento de Pokémon Scarlet e Pokémon Violet eis que voltei a pisar a terra dos Pokémon, motivado pelo novo conteúdo pago recentemente lançado, de nome “The Teal Mask”. Este pertence a uma de duas partes que constituem o DLC The Hidden Treasure of Area Zero”, sendo que a segunda parte já está confirmada para o final deste ano. Bem, chega de apresentações e vamos ao que realmente importa aqui: será que este novo conteúdo justifica gastar 34,99€? Ora então segue para as próximas linhas de texto para descobrires, logo abaixo do respetivo trailer.

The Teal Mask leva-te a uma nova aventura, na ilha Kitakami, num novo mapa aberto. Este é constituído por alguns biomas diferentes onde podemos explorar e descobrir mais alguns Pokémon novos e de gerações passadas que estão presentes exclusivamente nesta ilha. Entre estes estão 4 novos Pokémon lendários, que fazem parte desta (curta) aventura.

A história leva-nos a descobrir o mistério por detrás de um folclore, envolvendo o Pokémon Ogerpon e os três heróis da cidade Mossui. Para isso contamos com a ajuda das duas personagens novas que residem na localidade: Carmine e o seu irmão Kieran. Ambos possuem uma personalidade bem distinta e isso é algo que tu notas desde o instante que lhes metes a vista em cima. Em cima disso, eles serão os teus rivais durante toda esta jornada, pelo que podes esperar que batalhas ocorrerão constantemente (talvez um pouco demais para mim pessoalmente). Apesar de tudo, a afinidade que vais tendo com ambos vai crescendo à medida que a história vai desenrolando, originando laços de amizade mais profundos. No entanto, é expectável que estes laços se desenvolvam ainda mais durante a segunda parte do DLC, resultado de alguns acontecimentos que não poderia revelar-te, pois estaria a “spoilar” a história.

Uma história que se assemelha a uma grande side quest

The teal mask

Voltando à história, esta é relativamente curta e muito linear. O que quero dizer com isto é que senti que tudo isto é semelhante a uma side quest grande. É interessante, sem dúvida, mas é pouco profunda. Dás por ti a andar sempre do ponto A para B, falar com a pessoa C e D, e batalhar X e Y, senti que estava a perder tempo com algumas falas e que andava de um lado para o outro constantemente sem sentido. Havia muito que poderia ser feito para desenvolver mais a história, mas como Pokémon tem sido dedicado aos mais jovens, talvez entenda o porquê desta simplicidade toda.

Lê mais:  Everybody 1-2-Switch! | Análise

Apoiando o parágrafo anterior, pensei que o festival das máscaras fosse algo interessante e com características únicas, tanto no que toca ao desenvolvimento da história como a coisas para fazer por lá. Contudo, o festival traduz-se basicamente em lojas de comida e num minijogo chamado “ Ogre Outstin’ “. Neste minijogo tens que apanhar um certo número de berries de várias cores e colocares nos cestos correspondentes dentro de um tempo limite. No entanto, conforme avanças cada nível, pokémon começam a aparecer e a avançar para os cestos para comer as berries, pelo que terás que ir lá impedir. Mais uma vez, este foi um daqueles jogos que desinteressou, mesmo sabendo que poderia jogar online com outros jogadores em modo cooperativo, simplesmente não tive vontade, sem falar da fraca performance do mesmo. Se algo me forçasse a voltar a jogar aquele minijogo seria para obter alguns dos prémios que estão disponíveis, sendo o prémio mais valioso um Shiny Munchlax (por completar o nível mais difícil).

Batalhas sem grandes desafios

The teal mask

No que toca às batalhas, estas não possuem grande grau de dificuldade. No início, o jogo ajusta os níveis dos Pokémon conforme a teu progresso na história principal de Scarlet / Violet. No meu caso, como já tinha concluído a história, os Pokémon surgem nos níveis 60. Contudo, estes não foram desafiantes o suficiente para a minha equipa de nível 80s. As batalhas de treinador vão pelo mesmo caminho, sem qualquer dificuldade consegues limpar a equipa toda sem problemas. Já lá vão os tempos das épicas batalhas das primeiras gerações dos jogos Pokémon que apresentavam um verdadeiro desafio para o jogador (ainda te odeio Miltank!). É nestas alturas que se calhar gostava de ter a opção que me permitisse escalar a dificuldade do jogo. Infelizmente as batalhas fáceis são a nova realidade para esta franchise, e quer gostes ou não, é isso que vais ter que aceitar.

Lê mais:  Super Mario RPG | Análise

Em excepção, as batalhas contra os lendários foram os ponto mais alto deste DLC. Sem querer revelar muito, foi introduzido um conceito interessante no que toca ao lendário Ogerpon que proporcionou uma dinâmica diferente ao combate. Já os outros 3 lendários, estes apresentaram um conceito de batalha de boss semelhante aos da história principal de Scarlet / Violet. Honestamente, se não fossem estas batalhas, este DLC estaria condenado…

Problemas de performance

Falando agora no ponto-chave; a performance do jogo. Infelizmente continua no triste estado que sempre esteve, desde o lançamento do jogo. Quando peguei novamente no jogo para jogar este DLC, foi um choque levar novamente com as inconsistências nos gráficos e fraca performance do mesmo. Não queria acreditar que tinha jogado este jogo há um ano atrás.

Passaram meses e nada foi feito para melhorar a sua apresentação ou a sua performance. Sei que me estou a repetir, mas posso continuar a fechar os olhos à situação atual com a franchise de Pokémon. Ao menos poderiam aproveitar o DLC para se redimir e aplicar mais algumas optimizações, mas nada foi feito. A esta altura, creio que a equipa já tenha desistido e seguido em frente para mais outro projeto.

No entanto, o que continuou a sobressair foram as músicas. Neste DLC não podemos contar com muitas faixas musicais, mas estas poucas dificilmente desiludem. Este ainda é um dos pontos fortes que Pokémon conseguiu manter de forma consistente a cada geração.

Em conclusão, The Teal Mask fica aquém do que esperava encontrar num conteúdo pago (e bem pago) de Pokémon. Em consequência, isto não me deixa com boas expectativas para a segunda parte deste DLC. Há falta de mais conteúdo e mais empenho em resolver os problemas de performance que ainda existem no jogo. Com isto, dificilmente poderei aconselhar este DLC, além dos Pokémon novos que podes obter nele.

CONCLUSÃO
Deixa um pouco a desejar
6
Bruno Dores
Um fanático por Nintendo, de nome "Nintendista", que procura mostrar ao mundo o lado mágico da empresa que o acompanhou durante toda a vida.
pokemon-scarlet-violet-the-teal-mask-analiseThe Teal Mask fica aquém do que esperava encontrar num conteúdo pago (e bem pago) de Pokémon. Em consequência, isto não me deixa com boas expectativas para a segunda parte deste DLC. Há falta de mais conteúdo e mais empenho em resolver os problemas de performance que ainda existem no jogo. Com isto, dificilmente poderei aconselhar este DLC, além dos Pokémon novos que podes obter nele.