Rock in Rio Lisboa 2022

Numa parceria inédita, o Rock in Rio, o Centro Regional de Informação das Nações Unidas e a Câmara Municipal de Lisboa aliam-se na disseminação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e dos grandes temas que dizem respeito à construção de um mundo melhor. Trabalhando há mais de 20 anos “Por um mundo melhor”, esta edição o festival dá ainda mais palco aos temas da sustentabilidade trabalhando-os nos seus vários espaços como a Pluralidade na Rock Your Street, os desafios das Cidades do Futuro no Galp Music Valley, a Alimentação Sustentável no Continente Chef’s Garden, entre outros alinhados com os ODSs da ONU.

Para materializar estas conversas, o UNRIC e o Rock in Rio Lisboa desafiaram a Galeria de Arte Urbana da Câmara Municipal de Lisboa a fazer a curadoria de artistas para reinterpretar estas temáticas através da arte, resultando em seis murais espalhados pela Cidade do Rock. No total, são 350m2 de cor que, pela mão de diferentes artistas urbanos, abordando a preservação da natureza e do ambiente, a inclusão e o mundo plural, o papel da sustentabilidade nas sociedades do futuro e a alimentação sustentável

Junto ao Continente Chef’s Garden, as obras expostas são da autoria de Mafalda MG, que já viu o seu trabalho em diferentes exposições e cujas peças de arte urbana poderão ser vistas em diversas zonas da Cidade de Lisboa, e de MIUDO, um artista de Street Art que assenta o seu trabalho na pintura de realismo, tendo iniciado o seu percurso nas artes em 1999 com o grafitti. No Bosque, o mural é da autoria de EFFE, um artista multidisciplinar do Alentejo que, no seu trabalho, procura ilustrar as interações entre o ser humano e o ambiente que o rodeia. Já no Galp Music Valley a arte é feita pela dupla C’Marie e Egrito, dois artistas visuais portugueses que formam o coletivo Dúbio e unem, na sua arte, a ilustração e o design. Na Rock Your Street, na zona norte, os murais são pensados, desenhados e pintados por 2CarryOn, artista que cresceu num contexto rural e, quando chegou a Lisboa, desenvolveu o gosto pelas letras, com envolvimento nas subculturas urbanas e no movimento do graffiti. Na zona sul da mesma rua, os murais são assinados por Jaqueline Arashida, artista visual brasileira que mistura as suas raízes com as de outras terras, representando corpos, rituais e a formas em constante movimento, e por Los Pepes, dupla de artistas visuais portugueses ligados às artes plásticas e ao design, com um trabalho principalmente focado na arte urbana e na pintura.

Lê mais:  Rock in Rio Lisboa 22 | Queres ser o Estagiário da Worten por dez minutos?

Em cada um destes murais existirá um QR Code onde consta informação relativa aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mostrando-nos a situação de Portugal em cada um dos pontos, as iniciativas que o festival já implementa na busca desses objetivos e, ainda, dicas simples de comportamento que cada um deve adotar no seu dia-a-dia, contribuindo para estes mesmos objetivos. 

Para o Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), esta parceria pretende sensibilizar o grande público, através da criatividade artística, para a urgência de se adotar um novo paradigma centrado na sustentabilidade, valorizando e protegendo as pessoas e o planeta.

O Rock in Rio é um aliado da ONU na promoção dos princípios da Agenda das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, não só ao dar visibilidade aos grandes temas relativos à humanidade, como inclusão, direitos humanos, diversidade, igualdade de género, alterações climáticas, como tem também demonstrado, ao longo dos últimos anos, um esforço notável para ser um evento cada vez mais sustentável nas mais variadas dimensões”.

António Ferrari, assessor de Comunicação da ONU para Portugal.

“O Rock in Rio está totalmente alinhado com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e esta edição reforçámos o nosso compromisso para com o futuro ao lançar metas de sustentabilidade até 2030 com as quais publicamente nos comprometemos. Fomos o primeiro grande evento de música a compensar a sua pegada carbónica, há 15 anos, e a ter a certificação ISO 20121 – Eventos Sustentáveis. Pelo caminho foram dezenas de projetos, feitos e 35 milhões de euros investidos em projetos sociais e ambientais (que nos permitiram beneficiar 1 milhão de pessoas, apoiar mais de 200 entidades, financiar 28 projetos da UNESCO e auxiliar 56.000 beneficiários anualmente). E não iremos parar por aqui. O futuro é agora”.

Roberta Medina, Vice-Presidente do Rock in Rio.

Estes murais artísticos serão, no final do festival, divididos em várias peças de arte únicas que irão integrar o Leilão Solidário do Rock in Rio Lisboa 2022 na plataforma da eSolidar

“Foi com muito gosto que a Galeria de Arte Urbana da Câmara Municipal de Lisboa se associou a esta iniciativa para fazer a curadoria através do convite a alguns artistas, na sua maioria artistas emergentes da cena artística em Portugal, para intervir em espaços diferentes no recinto, tendo por tema o projeto que o RiR desenvolveu em colaboração com a ONU para promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) através arte. Estes tipos de iniciativas enquadram-se naqueles que são os princípios fundamentais da GAU, dentro do que é a disseminação da cultura em Lisboa, e da sua missão de promoção do graffiti e da street art em Lisboa, dentro de um quadro autorizado e segundo uma ótica de respeito pelos valores patrimoniais e paisagísticos, em oposição aos atos ilegais de vandalismo que agridem a Cidade.”

Galeria de Arte Urbana.

Este ano, além dos murais e das habituais guitarras autografadas por artistas que passarão pelos palcos desta edição, como António Zambujo ou Bárbara Tinoco, o leilão vai contar pela primeira vez com o contributo da Liga Portugal. Comprometida com um futuro melhor, mais saudável e equilibrado, a instituição junta-se, assim, ao festival doando bolas oficiais da próxima época, assinadas também por artistas que estarão no Rock in Rio, e por Embaixadores da Liga Portugal e jogadores emblemáticos do panorama futebolístico português. O leilão arranca já hoje com os primeiros artigos, sendo que as bolas oficiais da próxima época ficarão disponíveis a partir da próxima semana, uma vez que as mesmas serão oficialmente apresentadas ao público no próximo dia 18 de junho, em plena Cidade do Rock, com muitas surpresas e momentos especiais. 

“É um grande orgulho para a Fundação do Futebol – Liga Portugal associar-se a um evento como o Rock in Rio, que é de escala mundial. Além desta forte componente de Responsabilidade Social, neste caso o da sustentabilidade dos oceanos, à qual a Fundação do Futebol está intrinsecamente ligada, a Liga Portugal orgulha-se de fazer o lançamento oficial da temporada 2022-23 no primeiro dia deste conceituado festival. Este é um momento especial para nós, que simboliza o arranque não oficial da nova época. Com outras perspetivas, mas com o mesmo profissionalismo. O Futebol Profissional Não Para!”

afirmou Pedro Proença, Presidente da Liga Portugal e da Fundação do Futebol.

O valor arrecadado será doado a dois projetos sociais de âmbito distinto – um projeto de reflorestação numa zona de baldios (Fafião e Pincães, no Concelho de Montalegre), em parceria com a FSC – Forest Stwerdaship Council, e um projeto em parceria com a Associação Oceanos Sem Plástico de sensibilização nas escolas para a proteção dos oceanos e de limpeza de praias, marcando assim o mês em que a cidade de Lisboa recebe a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas

Apaixonada pelo mundo do cinema e dos videojogos. A ficção agarrou-me e não me largou mais! A vida levou-me pelo caminho da Pós-Produção, do Marketing e da organização de Eventos de cultura pop, mas o meu tempo livre, dedico-o a ti e à Squared Potato.