O jogo que vos trago hoje esteve em early access desde 2020, sendo desenvolvido e polido durante dois anos, que penso terem sido bem aproveitados, com um lançamento cheio de elogios e uma popularidade instantânea.

Estou a falar de Rogue Legacy 2, a sequela de um clássico dos RogueLite, que veio mostrar que ainda tem a capacidade de nos trazer uma experiência moderna e evoluída do género.

Uma arte que cativa tudo e todos

Admito que me considero um amante de arte nos jogos, sendo que muitas vezes preocupo-me mais com a consistência e qualidade artística de um jogo, que propriamente da sua qualidade gráfica e técnicas usadas.

Rogue Legacy 2 apresenta um estilo visual de um desenho animado, com personagens bastante expressivas e animações mais cómicas, como teres a tua personagem a andar com a arma para cima, como se tivesse em constante pose de herói. Os cenários também seguem esta lógica, com edifícios e objetos estilizados, com certas partes exageradas.

Eu adoro este estilo de arte, e penso que o jogo atinge uma apresentação excelente, a consistência artística faz com que nem pareça que estamos a jogar um jogo, e isso é um dos indicadores mais importantes no que toca à qualidade da sua arte.

Rogue-Legacy-2-1  

Repetição livre de frustração

A base de Rogue Legacy 2 é bastante simples, sendo que cada tentativa que tens conta como uma personagem do teu legado. Cada vez que morres, terás de escolher entre 3 herdeiros, tendo várias diferenças como classe ou passivas, como ser pequeno ou teres vampirismo, fazendo com que recuperes muita vida a atacar, mas sofras mais dano. O jogo também guarda um histórico das personagens que utilizaste, criando então o teu legado.

Em termos de jogabilidade, o jogo também se rege pela simplicidade, com todas as personagens a ter um ataque normal, um salto, um dash, e uma habilidade única da classe. Há várias classes ao dispor, como o Barbarian, capaz de dar críticos com ataques no chão, e com a habilidade de mandar um grito que congela os inimigos e destrói projéteis à sua volta.

Algo mais único que irás ter é o spin kick, que é um ataque específico que podes fazer no ar, que não só dá dano aos inimigos, como te faz saltar em cima deles. Esta habilidade serve também para platforming, sendo possível saltar em qualquer objeto que dê para partir ou qualquer inimigo, de modo a poderes atingir certas plataformas para buscares tesouro, por exemplo. Penso que esta habilidade é extremamente divertida, sendo que me vi a utilizá-la constantemente.

Lê mais:  Jogos do Mês | Edição de Julho 2021
Rogue-Legacy-2-3  

Os níveis são construídos à base de várias salas pré-geradas, com formas quadradas e retangulares, e com um tamanho pequeno. Nestas salas encontras várias vezes algum platforming, e também umas armadilhas como picos ou umas superfícies que atiram flechas quando passas por elas.

Maior parte das salas têm inimigos, com uma variedade surpreendente, havendo inimigos grandes com espadas enormes que te bloqueiam o caminho e obrigam-te a desafiá-los para avançar, umas mãos voadoras com machados que limitam um bocado o teu controlo aéreo, ou até uns olhos que disparam projéteis na tua direção.

Algumas salas têm desafios, como atacar vários alvos enquanto evitas dano, ou matar os inimigos todos sem levar dano, de modo a poderes abrir um baú que te dá runes ou aether, um recurso utilizado para fazer crafting de runes. Por vezes, irás também encontrar umas salas que te pregam umas partidas, sendo salas vazias com um buraco para picos, de modo a caíres facilmente e levares dano.

Rogue-Legacy-2-2  

Quando morres e escolhes o teu herdeiro, antes de te aventurares nas dungeons, irás para o hub do jogo, onde podes melhorar o teu castelo com o dinheiro que adquiriste na aventura. Tens bastantes melhorias à tua disposição, como melhorar o dano, a vida, e até desbloquear classes e alguns NPCs como o Blacksmith e a Enchantress.

No hub é onde podes preparar-te, fazendo upgrades ao teu equipamento e também a fazer crafting. O crafting é bastante simples, todas as receitas que encontras nos níveis ficam imediatamente disponíveis, e, desde que tenhas os materiais, podes simplesmente ir ao blacksmith e adquirir um equipamento à tua escolha, que traz melhorias em termos gerais, como mais vida ou dano, mas também trazem passivas especiais de acordo com o número de peças equipadas, como aumentar o teu resolve, que é usado para adquirir relics, que são passivas especiais que podes adquirir durante os níveis, como a Amaterasu’s Sun, que adiciona fogo aos teus ataques, ou as Hermes Boots, que te dão imunidade aos picos.

Lê mais:  Slipstream | Análise

Algo interessante no jogo é o sistema de Runes, onde podes encontrar as receitas durante as tuas aventuras, que ficarão disponíveis para comprar na Enchantress com gold e aether. Estas runes dão-te vantagens bastante interessantes e por vezes criativas, como ganhar dashes extra no ar, ou algo mais simples como recuperar vida cada vez que derrotas um inimigo. Este sistema tem um limite, onde só podes equipar um certo número de runes, com a possibilidade de aumentar este limite a partir dos upgrades do castelo.

Rogue-Legacy-2-4  

E agora, falando de um dos melhores aspetos do jogo, temos os bosses. Os bosses em Rogue Legacy 2, não têm nada de revolucionário na superfície, mas têm aquela sensação de “textbook design” que eu admiro bastante. Temos aqui uma situação onde os bosses têm padrões e ataques bem telegrafados, com um foco forte em aprendizagem e melhoria com repetição. Os bosses têm uma série de ataques, tanto à distância como melee, e por vezes até ataques que atravessam a arena e requerem o uso do spin kick para os evitares. Penso que aqui temos a melhor parte do jogo, pois eu nunca deixei de ser impressionado pelo design dos bosses, com uma qualidade excelente em termos artísticos e mecânicos.

Com o foco em fazer estes bosses desafiantes, obviamente que irás morrer umas quantas vezes a tentar derrotá-los. Felizmente, a equipa arranjou uma forma excelente de nos livrar de uma das maiores frustrações do género. À medida que vais avançando nas zonas, irás encontrar um portal no início das mesmas. Estes portais podem ser desbloqueados, de modo a ficarem sempre disponíveis a partir do início das runs. Isto faz com que, caso morras, possas imediatamente saltar para a zona relativa ao boss que estavas a tentar derrotar, fazendo com que as repetições sejam muito mais rápidas e livres de frustração.

Por último, tenho a acrescentar que joguei num PC com uma AMD RX 480 8Gb, um i7 4770k e 16GB de RAM. O jogo correu-me perfeitamente, sem qualquer problema técnico visível, e com uma apresentação super nítida.

Já podes criar o teu legado no Rogue Legacy 2 na Xbox One, Xbox Series X|S e no PC na Steam e Epic Games Store.

CONCLUSÃO
Orgulho
9.5
rogue-legacy-2-analiseRogue Legacy 2 é um textbook dos Roguelite, com mecânicas sólidas e um entendimento das melhores partes do género, com um foco em melhorar, e até eliminar maior parte das suas frustrações. Um jogo carismático com a sua arte cómica e com a sua solidez mecânica.