O maior mauzão da sua zona, Serious Sam, volta para derrotar mais um exército de monstros que tanto nos fazem rir como pensar “mas que raio…”.

Nove anos após o lançamento da última iteração na saga, encontramos uma nova aventura protagonizada pelo homem que leva tudo à frente. O problema nesta iteração é que até começarmos a levar coisas à frente temos de penar. Serious Sam 4 poupou em várias vertentes, o que resultou em prejuízo da qualidade final do produto.

Começando pela história, (que, verdade seja dita, nunca foi o seu forte, portanto não esperava o Santo Graal das narrativas) esta acaba por se tentar engrandecer, quando o foco desta saga não é este. Andamos sempre com um second fiddle atrás, irritando-nos e acrescentando muito pouco à diversão do jogo. A progressão da história em si é a tradicional “luta para salvares toda a gente”, portanto ao menos aí foram coerentes.

Serious Sam 4 1

O mundo é, talvez, o mais insípido da saga, resumindo-se num quadrado enorme, seguido de outro quadrado enorme, seguidos de mais quadrados, o que acaba por cansar relativamente rápido. Nota-se a influência, e talvez alguns assets, de The Talos Principle, o que passa uma imagem de reciclagem.

Os inimigos acabam por seguir a linha do mundo. Longe vão os dias em que tínhamos designs arrojados e inovadores, sendo que neste título se mantiveram pela quantidade ao invés da qualidade, o que leva a que cada nível seja uma repetição mascarada do outro, tanto em termos de espaço como de inimigos. Existem nods clássicos à saga, e um ou outro que valem a pena mas, infelizmente, mesmo os bosses acabam por se perder na redundância do visual.

Lê mais:  JoJo's Bizarre Adventure: All-Star Battle R | Novo trailer apresenta Diego Brando entre outras personagens

Serious Sam 4 3

A jogabilidade é mais do mesmo. Disparar e disparar, e o problema é que mesmo nos disparos acabamos por ter de esperar até entrarmos na ação, atravessando uma secção inicial cansativa. Fora isso, certas armas acabam por nos dar uma sensação satisfatória, o que ameniza esta vertente.

Embora tenha mencionado pontos negativos anteriormente, nada, e mesmo nada, se aproxima do quão mau o jogo foi programado. Os visuais são sub-par e a música, embora captivante ao início, acaba por se perder na repetição, aliando o cansaço da repetição do mundo ao “enjoo” sonoro.

Serious Sam 4 2

A Croteam passa uma imagem de desistência a meio da produção do jogo, presentando-nos com coisas como texture popping, partes do mundo que estão por renderizar, expressões faciais da era PS3, entre inúmeros outros bugs. Para melhorar tudo, o menu de optimização acaba por ser um labirinto, e embora seja bastante completo, provoca mais confusão do que facilita a vida ao consumidor.

CONCLUSÃO
Repetitividade em excesso
5.3
serious-sam-4-analiseSe são fãs do Serious Sam pelas experiências do First e do Second Encounter, então não comprem este jogo, pois só se vão estar a desiludir a vocês próprios. Ao contrário dos títulos que mencionei, Serious Sam 4 é apenas uma máscara de Serious Sam 3, que já por si não vingou dada a sua falta de originalidade, alimentando esta bola de neve de desilusão. Mesmo com um patch de cerca de 40GB no dia de lançamento, o melhor a fazer é aguardar.